Desporto

Aboubakar e Brahimi desataram um nó que nem chegou a apertar

2015-10-21 05:37:56 (UTC+01:00)

Dois golos de Aboubakar e Brahimi, na 1.ª parte, desataram um nó que nem chegou a apertar muito as aspirações de vitória do FC Porto.

Com este resultado, Lopetegui somou 20 triunfos consecutivos e ultrapassou o recorde de José Mourinho, obtido em 2004, quando os dragões se sagraram campeões europeus.

Num jogo em que Rúben Neves escreveu história ao ser o capitão mais novo de sempre a jogar na Liga dos Campeões 18 anos e 221 dias, o FC Porto teve uma primeira abordagem complicada ao adversário, isso porque o Maccabi defendeu com muitos homens e, a espaços, construiu contra-ataques que ameaçaram a coesão defensiva do dragão.

O facto é que, tudo somado, Casillas fez uma única defesa de risco elevado, a livre de Zahavi, perto do final. Com tempo e método os portistas não só acertaram as marcações como criaram supremacia, a suficiente para em dois golpes os francófonos da equipa decidirem o jogo.

Muito bem servido por Layún, Aboubakar reforçou o seu estatuto de goleador do FC Porto. O centro com pé esquerdo do mexicano convocou o mergulho do camaronês, que de cabeça bateu Rajkovic. Pouco depois, um diálogo 100 por cento francês traduziu em golo o domínio portista.

Aboubakar surgiu na zona central do terreno, aguentou a pressão de dois adversários e serviu com arte Brahimi. O argelino teve a frieza que se impunha para fazer o 2.º golo dos dragões.

Na 2.ª parte Lopetegui geriu o desgaste de algumas unidades. Ainda assim o FC Porto podia ter ampliado a marca quando Tal Ben Haim correu o risco de cortar um centro de Tello, acertando em cheio no poste da baliza do companheiro Rajkovic.

Triunfo sem contestação dos dragões, que somam sete pontos no grupo G e dia 4 de novembro defrontam o Maccabi, na 4.ª jornada. [FM]