Desporto

Encarnados conquistam sexta Taça da Liga

2015-05-30 05:30:32 (UTC+01:00)

O Benfica assegurou a sua sexta vitória na Taça da Liga, dando mais um recheio a uma temporada já escrita com honra superior pela conquista do bi-campeonato.

Apesar de um domínio notório e um conjunto largo de oportunidades desperdiçadas, o Benfica provou imensas dificuldades perante um Marítimo, que se entregou com todas as armas possíveis à discussão do troféu.

A vitória sorriu aos encarnados à entrada dos dez minutos finais, tendo sido Ola John a desbloquear o encontro, travando uma inacreditável vaga de desperdício.

O Marítimo dificultou bastante a tarefa do campeão nacional, tendo sido mesmo a primeira equipa a causar real perigo com o irrequieto Xavier a ameaçar. Danilo também perdeu ensejo para faturar no seguimento de um pontapé de canto.

O ascendente encarnado cimentou-se com o passar dos minutos com Lima a evidenciar-se pela negativa num falhanço clamoroso. Foi atrás que os insulares cometeram erros em demasia, revelando desnorte e pouca precisão. O jogo faltoso também convocou dissabores à equipa de Ivo Vieira.

Jonas, sempre ele, como farol do cerco à baliza de Salin, aproveitou facilidades na área para, de cabeça, inaugurar o marcador com um golpe cheio de requinte. A vantagem seria mantida até ao intervalo.

Na segunda parte, o Marítimo procurou logo corrigir o prejuízo, tendo Xavier perdido soberana ocasião na cara de Júlio César. O Benfica contra-atacou, de imediato, Lima assustou Salin e Raul Silva borrou a pintura numa falta imprudente, que lhe custou o segundo amarelo.

O destino dos insulares parecia traçado e o Benfica marcadamente mais cómodo para atacar o segundo troféu da temporada. Puro engano, conseguindo Fransérgio descortinar uma linha de passe soberba para João Diogo, que acelerou para a baliza, ludibriando Júlio César com categoria.

O 1-1 deixou um manto de incerteza no jogo, convocando o Benfica a provar as razões do favoritismo. A superioridade numérica empurrou os comandados de Jorge Jesus para um assédio constante á baliza de Salin. Muitos falhanços foram poupando o Marítimo, deixando a equipa da Madeira acalentar a ida para o prolongamento.

Apesar de fresco, Ola John não concordou com essa ideia e, em jeito de raiva, fuzilou a baliza dos insulares, encerrando com a resistência contrária. Jonas, novamente figura central do êxito do Benfica, assinando o 30º golo com a camisola das águias, também esteve na jogada, sendo ele o causador das perturbações fatais do opositor.

A Taça da Liga estava segura, apesar do inconformismo do Marítimo. Presente no espírito dos jogadores encarnados esteve sempre Salvio, traído por uma grave lesão no fecho da temporada. [FM]