Desporto

ENTREVISTA: Jumisse dá um olhar positivo ao campeonato angolano

2015-06-13 08:23:22 (UTC+01:00)

Nesta entrevista o internacional moçambicano a serviço do 1º de Agosto de Luanda, Angola, dá o ponto de situação carreira e os avanços que tem notado no dia pós dia.

Folha: Jumisse, como vão as coisas no 1º de Agosto

Jumisse: Olha o futebol Angolano é verdadeiramente profissional com dinâmica de uma liga europeia de um daqueles países mais pequenos, equiparo porque já lá estive a uma Liga Romena por exemplo

Folha: já atingiu o seu patamar mais alto ou ainda quer voltar para a Europa por exemplo)

Jumisse: No futebol meu irmão tudo é possível! Tu passas de um grande jogador para um jogador que não presta em uma semana, o que pretendo dizer é que hoje estou muito bem no de Agosto, amo o povo angolano mas se surgir um desafio novo fora de Angola e que me garanta melhores condições claro que estou disponível. Mas sempre coisa certa pois estou com 28 anos e já errei muito

Folha: Teve alguma experiência ma?

Jumisse: nenhuma experiência deve ser considerada má porque tu aprendes sempre algo nem que não seja para puderes ensinar aos mais novos e alertar para que não cometam os mesmos erros, mas sim comi o pão que o diabo amassou no meu percurso em especial na Romenia e em Portugal. Os miúdos aqui ficam um pouco iludidos com a ida para o estrangeiro -aquilo é duro muito duro

Folha: e a selecção? Vamos ganhar?

Jumisse: só faz essa pergunta porque não me conhece bem

Folha: como assim?

Jumisse: quem me conhece sabe que eu nem a brincar futebol no treino aceito perder, eu como uma galinha viva para ganhar. Estar na selecção é um sonho de milhões de miúdos que vêem em nós a razão de ser Moçambicanos, que percebem o que é a bandeira, que valorizam a nossa história e o nosso ser e por isso é para além de uma tremenda responsabilidade uma tremenda honra e um privilégio ser chamado e agradeço a equipa técnica por cada oportunidade que me dão.

Folha: mas alguns dos atletas que vêem do estrangeiro queixam-se de que as vindas a selecção prejudicam a sua carreira em especial atletas africanos, concorda com esta análise?

Jumisse: meu irmão, por acaso concordaria que lhe disse-se que você já grande cada vez que a sua mãe lhe chama-se para ir a sua casa ajudar a resolver isto ou aquilo que isso poderia prejudicar no seu serviço? A nossa selecção, o nosso país é também a nossa mãe, eu só de vestir a camisola do treino da selecção já me sinto orgulhoso e abençoado. A questão que pode ser crítica é ser chamado e depois vir sentar no banco enquanto a tua equipa esta a jogar e onde tu és titular, ai pode desmoralizar um pouco mas quem escolhe é o mister e eu por exemplo no mister actual confio cegamente.

Folha: Então amanhã é para ganhar!

Jumisse: para cima deles! Com a ajuda do nosso povo e do coração vamos devolver estes camaradas do Ruanda com a sua auto-estima danificada!