Desporto

FC Porto venceu o Chelsea no Estádio do Dragão

2015-09-30 05:43:57 (UTC+01:00)

Onze anos depois, José Mourinho voltou ao Dragão como treinador do Chelsea. Onze anos depois, perdeu. Por 2-1.

E que maior elogio se pode fazer ao FC Porto que este: esteve sempre mais perto do 3-1 que do empate depois de Maicon, o capitão, fazer aos 52 minutos o segundo golo dos azuis e brancos.

Antes, ainda na primeira parte, e aos 39 minutos, André inaugurava o marcador, após grande trabalho de Brahimi pela esquerda, perante Ivanovic - quem viu e quem vê este internacional sérvio... -, rematando para defesa enorme de Begovic, que se viu impotente na recarga do médio português. Depois de marcar ao Benfica, estreia a marcar na Champions. Talhado para jogos grandes o antigo jogador do V. Guimarães, ideal para os grandes palcos este FC Porto.

O golo do Chelsea, ao cair do pano da primeira parte, de livre direto, castigando falta de Maicon sobre Ramires, foi castigo demasiado pesado para um FC Porto de luxo. Livre irrepreensível de Willian, muito embora Casillas pudesse ter ficado melhor na fotografia.

Do guarda-redes espanhol, porém, nada a apontar além disso: nos primeiros 20 minutos, os únicos em que o Chelsea realmente existiu, Casillas roubou os golos aos compatriotas Pedro Rodríguez e Diego Costa.

Avançando novamente no filme, para a segunda parte e para o minuto 52, Maicon colocava os dragões novamente em vantagem, Diego Costa, com uma bola à barra, ainda ameaçou o 2-2 aos 54 minutos mas, a partir daí, só houve FC Porto. Um FC Porto confortável, com bola, com fantasia, com muito de Imbula, sempre com Aboubakar, com rasgos de Rúben Neves e, claro, com a magia de Brahimi.

Um FC Porto que, claramente, não merecia acabar com o credo na boca... e acabou. No cerco final do Chelsea, já com Hazard em campo, pairou a ameaça do empate, sobretudo em cima do apito final, aos 90+4, quando Kennedy rematou pertíssimo da baliza de Casillas. Antes, aos 89, razões de queixa para o campeão inglês: lance entre Diego Costa e Marcano, com mão na bola do central, dentro da área. [FM]