Desporto

Injeção de moral para receber o Galatasaray

2015-10-31 03:25:48 (UTC+00:00)

O Benfica marcou cedo, logo aos quatro minutos de jogo por intermédio de Jonas, brasileiro que colocou fim ao jejum de três desafios sem marcar.

Rui Vitória surpreendeu ao dar a titularidade ao jovem Clésio, moçambicano da equipa B que ocupou a posição de lateral direito, com Sílvio a surgir na posição mais à esquerda da defesa.

Talisca fez companhia a Samaris no meio campo, com Jiménez a jogar de início ao lado de Jonas, já que Mitroglou integrou, à última hora, o boletim clínico, devido a entorse na tiobiotársica esquerda.

Do lado do Tondela, Rui Bento teve de remendar o seu conjunto. Raphael Guzzo, Romário Baldé e Murillo não jogaram por estarem emprestados pelo Benfica, Dolly Menga cumpriu castigo e Luís Alberto lesionou-se na véspera deste jogo que abriu a 9.ª jornada.

A vitória encarnada, por quatro golos sem resposta, pode dar a sensação de um grande jogo, o que, de facto, não se verificou. Gaitán esteve muito apagado, longe do que já habituou os adeptos, cedendo lugar a Carcela, internacional marroquino que marcou o quarto golo da equipa, depois de muito bem entrar no jogo, reclamando mais oportunidades de Rui Vitória.

Também não é menos verdade que o Benfica teve a ajuda de Berger, autor do autogolo que fez o 0-2. Teve azar o Tondela, que esteve sempre frágil no capítulo defensivo e ofensivo, equipa que também viu lesionar-se o guarda-redes Matt Jones, o que proporcionou a estreia do guardião Claúdio Ramos ( a equipa de Rui Bento soma oito jogos sem vencer).

Os bicampeões podem, contudo, orgulhar-se do golo de Gonçalo Guedes, mas, de resto, são muitas as indicações a rever. Talisca e Jiménez foram peças intermitentes num jogo que, sobretudo na segunda parte, teve momentos de fraco nível.

Com esta primeira vitória fora, o Benfica soma 15 pontos no campeonato (com menos um jogo), injeção de moral que poderá utilizar para receber agora, terça-feira, o Galatasaray, para a Liga dos Campeões. [FM]