Desporto

Sporting busca forças no fundo da alma e conquista Taça de Portugal

2015-06-01 05:37:26 (UTC+01:00)

A grande festa do futebol português, a Taça de Portugal, viveu ontem um dos momentos altos da sua já longa história.

O Sporting, que se viu a jogar com dez desde o minuto 15 e que se viu a perder por 0-2 desde os 25 minutos (golos de Éder, g.p., e Rafa), conseguiu ir buscar forças ao fundo da sua alma e, com raça e, sobretudo, com o banho tático de Marco Silva, conseguiu chegar ao empate já à beira do fim, através de Slimani (84) e Montero (90+3), empurrando o jogo para prolongamento e, por fim, para o desempate por grandes penalidades, o primeiro de sempre nesta competição.

Nesse instante, e depois de já antes Slimani e Montero terem sido efusivamente abraçados pelos companheiros, outro herói subiu ao Olimpo, ainda antes de subir a escadaria do Estádio Nacional para erguer a Taça de Portugal: Rui Patrício, que jogou os últimos 10 minutos lesionado e visivelmente com dores, foi também ele buscar forças sabe-se lá onde para travar a vontade do SC Braga e assegurar a vitória nos penalties.

Explosão de alegria no final do lado dos leões; desilusão absoluta entre os guerreiros de Sérgio Conceição, incrédulos pelo modo como, a um passo de concretizarem o sonho duma vida, duma carreira, o viram fugir por entre os dedos.

E, como referiu Sérgio Conceição, a equipa até esteve perto do terceiro golo, com dois lances perigosos no prolongamento. Mas, nesses momentos, estava lá Rui Patrício, já lesionado como referimos antes, a travar tudo até à festa final.

Depois do desespero, de todos os azares, de uma época dura com polémicas entre presidente e treinador, o Sporting conseguia enfim sorrir. E conquistar a sua 16.ª Taça de Portugal, título que lhe escapava desde 2008, ainda era Paulo Bento o treinador. [FM]