Internacional

Amnistia Internacional acusa polícia do Burundi de punir manifestantes

2015-07-23 14:16:03 (UTC+01:00)

A polícia Burundesa foi acusada hoje, pela Amnistia Internacional de repressão violenta aos manifestantes em Maio e Junho passados, que revindicavam a candidatura de Pierre Nkurunziza à presidência daquele país africano.

Um relatório de uma organização não-governamental (ONG) de defesa dos direitos humanos Amnistia Internacional, dá indicações de que “as forças de segurança burundesas não se limitaram a dispersar os protestos, mas castigaram os manifestantes por terem expressado uma opinião política".

"As autoridades usaram força excessiva e desproporcionada, em alguns casos até à morte, contra os manifestantes, disparando sobre alguns que fugiam", sublinha o relatório intitulado "Perante as balas".

O resultado da eleição presidencial de terça-feira, boicotada pela oposição e denunciada pela comunidade internacional, vai ser divulgado na sexta-feira à tarde. O presidente cessante Pierre Nkurunziza deverá ser reconduzido no cargo para um terceiro mandato.

Esta candidatura, que os adversários consideram violar a Constituição, mergulhou desde final de abril o Burundi numa grave crise, marcada por violências que causaram mais de 80 mortos e levaram cerca de 160 mil burundeses a fugir do país. [FI]