Internacional

Ataque a comboio humanitário no Burkina Faso mata 10 pessoas

2020-06-01 07:33:18 (UTC+01:00)

O Governo do Burkina Faso anunciou ontem , em comunicado, a morte de dez pessoas num ataque de "grupos armados terroristas" a um comboio humanitário, no sábado, no norte do país.

"O ataque, no eixo Foubé-Barsalogho, perpetrado por grupos terroristas armados, visou um comboio humanitário que regressava de Foubé, depois de ter transportado alimentos. O número provisório de mortos é de 10 (cinco civis e cinco militares)", afirma o Executivo no comunicado.

Na mesma nota, o governo adianta o "número provisório de 25 mortos" no ataque ao mercado Kompienbiga, no Leste, elevando-se assim a cerca de 50 o número de vítimas mortais em três ataques atribuídos aos jihadistas, que ocrreram desde a última sexta-feira.
Um novo ataque terrorista num mercado na parte oriental do Burkina Faso, na cidade de Kompienbiga, fez pelo menos 30 mortos no sábado, horas depois de outra investida 'jihadista' ter provocado 15 óbitos, avançaram também ontem testemunhas no local.

Um residente referiu que os atacantes, que atuaram em grupo, "invadiram o mercado com motas e começaram a disparar, especialmente contra pessoas que estavam a tentar fugir".

Segundo esta testemunha, "cerca de 30 pessoas" morreram na investida em Kompienbiga, junto a Pama, na parte oriental do Burkina Faso, durante um mercado de gado que se realiza normalmente ao sábado.

Agora, o governo vem referir em comunicado que foram 25 as vítimas mortais neste ataque. O residente informou na altura que o grupo de atacantes "efetuou buscas para (atacar as pessoas) que ficaram para trás, enquanto os restantes perseguiam os que fugiam".

Outro residente disse ser "difícil prever" quantas pessoas morreram neste ataque, mas confirmou que "mais de 30 corpos foram recolhidos". Uma fonte da segurança local escusou-se a precisar o número de vítimas, embora tenha corroborado que o ataque foi feito por "elementos de grupos terroristas vindo de motociclos".

Já um funcionário deste mercado falou em "várias dezenas de mortos, incluindo lojistas e residentes locais".

Na sexta-feira à noite, pelo menos 15 civis foram mortos na província de Loroum, na região norte do Burkina Faso, durante um ataque reivindicado por grupos 'jihadistas' que operam regularmente na zona.

O leste e o norte do Burkina Faso é a zona do país mais afetada pela violência 'jihadista', que já causou mais de 900 mortos e 860 mil deslocados nos últimos cinco anos.

Mal treinadas e pouco equipadas, as forças de segurança do Burkina, um país pobre da África Ocidental, não conseguem travar a espiral de violência 'jihadista', apesar do apoio de equipas estrangeiras, como as francesas.

A violência 'jihadista', misturada com os conflitos que afetam a região do Sahel central, provocou, em 2019, um total de 4.000 mortes no Burkina Faso, Mali e Níger, de acordo com as Nações Unidas.