Internacional

Burundi enfrenta várias séries de ataques com granadas

2015-06-23 04:23:54 (UTC+01:00)

Depois de seis semanas de protestos, pontuados pela violência que deixou cerca de 70 mortos, o Burundi enfrenta agora várias séries de ataques com granadas, que já fizeram quatro mortos.

Depois da capital Bujumbura, onde 11 polícias ficaram feridos na noite de sexta-feira numa série de ataques com granadas, é o interior do país, principalmente no norte, a ser atingido por esses ataques. E desta vez as vítimas são civis que foram atingidas na noite de domingo.

Ngozi, a província natal e “feudo” do Presidente burundês Pierre Nkurunziza, foi a mais afectada. Pelo menos quatro pessoas foram mortas e trinta feridas pela explosão de uma granada no meio de uma multidão numa barraca de venda de cerveja tradicional.

Quase simultaneamente, outras granadas explodiram um pouco mais longe, em Kirundo, fazendo um ferido, e na província de Muyinga no nordeste, mas sem vítimas. Finalmente, dois polícias ficaram feridos na manhã de ontem na explosão de duas granadas no distrito de Musaga, sul de Bujumbura.

Sem citar nomes, o chefe de comunicação da Presidência da República, Willy Nyamitwe, fala de uma “campanha de terror orquestrada pelos políticos e activistas da sociedade civil que lideram a insurreição” que abalou a capital no último mês e meio, uma alusão aos líderes dos protestos contra o terceiro mandato do Presidente Nkurunziza.

O poder acusa os contestatários de tentar sabotar as eleições legislativas e municipais previstas para a próxima segunda-feira, mas “eles falharão, como há cinco anos”, previu Nyamitwe, segundo a RFI.

“O nosso movimento é e continuará pacífico”, respondeu Jeremias Minani, em nome da plataforma que reúne a oposição política e a sociedade civil contra o terceiro mandato.

Minani suspeita que os atentados fazem parte de um plano concebido pelo Governo para acabar de uma vez por todas com a oposição. [FM]