Internacional

Congoleses dizem “não ao golpe de Estado constitucional”

2015-09-29 04:56:08 (UTC+01:00)

Milhares de congoleses manifestaram-se domingo, em Brazzaville para dizer “não ao golpe de Estado constitucional”, ligado ao referendo anunciado pelo Presidente do Congo que lhe permitirá recandidatar-se a um terceiro mandato nas eleições de 2016.

Impossibilitado pela Constituição, que prevê apenas dois mandatos, Denis Sassou Nguesso, anunciou há uma semana que irá submeter a referendo uma nova Carta Magna que, se aprovada, lhe permitirá apresentar-se às presidenciais de meados de 2016.

Outra alteração constitucional prevê a anulação da idade limite para um candidato presidencial, actualmente nos 70 anos.

Nguesso foi Presidente do Congo já no regime de partido único, desde 1979 até 1992, altura em que o país se abriu ao multipartidarismo, tendo perdido as eleições nesse mesmo ano. Regressaria ao poder em 1997, na sequência da violenta guerra civil que assolou então o país. Em 2002 ganhou legitimidade nas urnas tendo sido reeleito em 2009.

No último domingo, em Brazzaville, segundo a agência France Presse (AFP), citada pela Lusa, os milhares de manifestantes responderam ao apelo da Frente para a Ordem Constitucional e para a Alternância Democrática (FROCAD) e da União para a Democracia Congolesa (UDC), que constituem a quase totalidade da oposição.

Ao longo de mais de um quilómetro, percorrido em cerca de três horas, os manifestantes desfilaram pela Avenida do Exército, no centro da capital congolesa, naquele que é considerado o maior protesto da oposição desde o regresso de Nguesso ao poder.

Durante o percurso, os manifestantes gritaram palavras de ordem como "Não ao golpe de Estado constitucional", "Não a um terceiro mandato" ou "Não ao referendo".

Sem incidentes, a multidão acabou por dispersar. O Congo, também conhecido por Congo-Brazzaville, acedeu à independência da França a 15 de Agosto de 1960. [FM]