Internacional

Continua a "limpeza" na ZANU-PF de Robert Mugabe

2015-05-25 06:56:25 (UTC+01:00)

A purga continua no seio da ZANU-PF do Presidente Robert Mugabe. Na semana passada cerca de uma dezena de quadros do partido no poder foram expulsos. Oficialmente, eles são acusados de pretender dividir o partido.

A expulsão de Joice Mujuru não acalmou os espíritos dentro da União Nacional Africana do Zimbabwe Frente Patriótica (ZANU-PF, em inglês). Sete altos quadros foram expulsos e 13 outros suspensos na passada quinta-feira. Todos são suspeitos de serem partidários da antiga vice-presidente, expulsa do partido no início do ano por conspiração contra o Presidente Mugabe.

Entretanto, seis meses depois de Mujuru ter sido afastada do cargo de ex-vice-presidente, a luta pela sucessão de Robert Mugabe, 91 anos, se intensifica no seio da ZANU-PF, com o Ministro zimbabweano da Informação, Jonathan Moyo, a dar a entender que a questão não estava ainda resolvida no partido.

Numa entrevista semana passada à BBC, o ministro da Informação lembrou que o Presidente Mugabe não designou ainda um sucessor e que ninguém disse que o vice-presidente, Emmerson Mnangagwa, o é.

“Ele (Mnangagwa) é vice-presidente do país, um dos dois nomeados pelo Presidente para ajudá-lo na implementação da agenda (do partido)”, disse Moyo.

Esta não é a primeira vez, Moyo parece lançar água fria na propalada sucessão de Mugabe por Mnangagwa. No ano passado, disse o vice-presidente tinha sido nomeado e não eleito.

Para o ministro da Informação qualquer um que queira suceder Mugabe tem que conquistar “os corações e as mentes do eleitorado”, reiterando o ponto que um sucessor não é designado, mas sim eleito.

O sobrinho do Presidente Mugabe, Patrick Zhuwao, membro do Comité Central da ZANU-PF, também concorda com Moyo e afirma que o debate da sucessão estava longe do fim. [FM]