Internacional

Criada força regional contra Boko Haram

2015-06-13 07:14:22 (UTC+01:00)

Projectada desde o início do ano, acaba de ser confirmada a criação da força militar multinacional para lutar contra o grupo islamita nigeriano Boko Haram (BH).

A força deve estar operacional até o final de Julho e será integrada por militares do Benin, Camarões, Chade, Níger e Nigéria, que também assumirá o respectivo comando.

O novo Presidente nigeriano, Muhammadu Buhari, fez da luta contra o BH sua prioridade.

Assim, cerca de duas semanas após tomar posse, Buhari reuniu, na quinta-feira (11), em Abuja, os seus homólogos do Chade, Níger e Benin e o ministro da Defesa dos Camarões, numa cimeira que confirmou a criação da força conjunta para combater os militantes islamitas, que nos últimos tempos levam as suas acções terroristas para além das fronteiras da Nigéria.

A força militar regional deverá estar operacional até ao final de Julho próximo e a maioria das tropas será da Nigéria, mas integrarão também militares do Chade, Camarões e Níger - que desde o início do ano já operam contra a Boko Haram - e também do Benin.

Estará sediada em Ndjamena, Chade, mas sob o comando da Nigéria, por “exigência” de Buhari.

Segundo a AFP, nas discussões durante a cimeira, o presidente nigeriano rejeitou um comando rotativo entre os países signatários, acreditando que tal prejudicaria a sua eficiência.

Resta encontrar financiamento para a implantação sustentável da operação. Nigéria promete desembolsar 100 milhões de dólares. Mas os chefes de Estado da Bacia do Lago Chade e Benin apelaram à participação da União Africana, que deve incluir uma componente de desenvolvimento da região assolada pela pobreza, porque esta “tem ligações com as coisas que testemunhamos na região”, de acordo com o porta-voz presidencial nigeriano, Garba Shehu, citado pela BBC.

Os líderes regionais solicitaram também o apoio da União Europeia, da França, Reino Unido e Estados Unidos. Eles pediram igualmente ao Conselho de Segurança das Nações Unidas para mostrar, numa declaração, o seu apoio à luta contra o Boko Haram.

O novo chefe de Estado nigeriano pretende construir uma aliança internacional para lutar contra Boko Haram.

Do início do seu mandato até à data, mais de 150 pessoas foram mortas em ataques suicidas protagonizadas pelos “jihadistas”. [FM]