Internacional

Estado Islâmico vende escravas a combatentes feridos na Síria

2015-11-09 04:33:27 (UTC+00:00)

O grupo extremista Estado Islâmico (EI) vendeu várias prisioneiras de guerra não muçulmanas "como escravas" aos seus combatentes feridos ou mutilados no nordeste da Síria, denunciou ontem o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

O director do OSDH, Rami Abderrahman, explicou que estas mulheres são "exploradas sexualmente", além de efectuarem trabalhos domésticos e ajudarem os combatentes.

A organização não-governamental (ONG) acrescentou que o EI decidiu vender as escravas por as famílias das populações locais não autorizarem casamentos das suas filhas com 'jihadistas' feridos em combate.

O OSDH, com sede em Londres e uma ampla rede de activistas na Síria, obteve testemunhos sobre as escravas na periferia da zona leste de Deir al Zur, capital da província homónima, sob controlo do EI. [FM]