Internacional

Guiné-Bissau: UA defende respeito pela Constituição

2015-08-28 05:06:30 (UTC+01:00)

O Conselho de Paz e Segurança da União Africana (UA) defendeu na quarta-feira, o respeito pela Constituição e a neutralidade das Forças Armadas da Guiné-Bissau no contexto de tensão crescente entre os principais responsáveis políticos do país.

O Primeiro-Ministro guineense, Domingos Simões Pereira, foi demitido pelo Presidente José Mário Vaz a 12 de Agosto corrente, criando uma grande crise política no país.

Em comunicado, citado pela agência Lusa, “o Conselho sublinhou o imperativo respeito pela Constituição e o estado de direito, assim como a absoluta necessidade das Forças Armadas e de Segurança se posicionarem do lado de fora desta crise actual”.

Mário Vaz nomeou Baciro Djá como o novo Primeiro-Ministro no dia 20, mas a tensão política continua no país.

“O Conselho sublinhou mais uma vez que esta situação poderia colocar em causa os avanços registados com a conclusão da transição e a realização das bem-sucedidas eleições legislativas e presidenciais em Abril e Maio de 2014”, referiu a organização em comunicado.

Indicou ainda que esta crise política pode ainda “dificultar a mobilização da assistência internacional que a Guiné-Bissau precisa para a sua recuperação sócio-económica e a implementação das reformas necessárias para a estabilização duradoura do país”.

“O Conselho apela à continuidade dos esforços coordenados e engajados para acelerar a resolução da crise actual e pediu, para esse fim, que o presidente da Comissão da UA realize consultas junto da CEDEAO e dos países vizinhos da Guiné-Bissau, da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), da União Europeia e das Nações Unidas, e que tome as iniciativas necessárias”, lê-se ainda no documento. [FM]