Internacional

Ministra do Trabalho e das Pensões demite-se do governo de Boris Johnson

2019-09-09 07:10:58 (UTC+01:00)

Depois de ter visto o seu irmão Jo Johnson, deixar o Governo alegando incompatibilidade entre "lealdade à família e o interesse nacional", o Primeiro-ministro britânico sofreu mais um duro golpe com a saída da ministra do Trabalho e das Pensões.

Amber Rudd apresentou este sábado a sua demissão, por não concordar com as escolhas governamentais do primeiro-ministro Boris Johnson, a quem acusa de "vandalismo político".

Amber Rudd demitiu-se em protesto contra a expulsão do Partido Conservador dos deputados que votaram ao lado da oposição para impedir um Brexit sem acordo. Dentro do partido, Johnson conta com detratores e aliados.

Rudd confirmou a demissão na sua rede social Twitter e explicou a razão da sua decisão: "Não suporto que os conservadores bons, leais e moderados sejam expulsos. Permaneço comprometida com os valores de uma nação que me atraíram para a política", disse.

Ainda na carta publicada nas redes sociais, Amber Rudd admite que aquela foi "uma decisão difícil": "Juntei-me a este ministério por boa fé, aceitando que a hipótese de uma saída do Reino Unido da União Europeia sem acordo tinha de estar em cima da mesa, porque era a forma através da qual teríamos a possibilidade de encontrar um novo acordo para sair a 31 de outubro".

Mas, para a deputada, a missão do governo parece ter mudado. E já não é aquela em que ela própria acreditava: "Já não acredito que sair com um acordo é o principal objetivo deste governo".

"O governo está a gastar demasiada energia em preparar-se para uma saída sem acordo, mas não tenho visto o mesmo nível de empenho nas nossas conversas com a União Europeia, que no pediu para apresentar soluções alternativas para o travão irlandês", denunciou a ex-ministra.

"E também devo falar do ataque à decência e à democracia que aconteceu na semana passada quando demitiu 21 conservadores talentosos e leais", escreveu Amber Rudd dirigindo-se a Boris Johnson.

O Governo de Boris Johnson está confrontado com uma profunda crise após ter decidido em Agosto suspender as sessões parlamentares a partir de meados desta semana, uma medida rejeitada por uma parte dos conservadores e pelos partidos da oposição. Boris Johnson tem defendido que o Reino Unido deve sair da União Europeia no dia 31 de Outubro, incluindo na ausência de um acordo com o bloco comunitário.

Em declarações ao Sunday Times, Rudd acrescentou que vai abandonar o grupo parlamentar conservador e tornar-se deputada independente.

De recordar que Jo Johnson que demitiu-se na quinta-feira, ocupava a pasta de secretário de Estado da Economia e Educação, cargo para o qual foi no,meado a 25 de Julho pelo seu irmão mais velho Boris Johnson. [FM]