Internacional

Nkurunziza constituiu Governo do seu terceiro mandato

2015-08-27 14:35:59 (UTC+01:00)

O Presidente do Burundi, Pierre Nkurunziza, constituiu já o primeiro Governo do seu terceiro mandato.

Os 20 membros do novo Gabinete, anunciados na segunda-feira e que inclui cinco elementos da oposição, tomaram posse na terça-feira no Palácio dos Congressos de Kigobe, em Bujumbura.

Cinco ministros transitam para o novo Governo e nas mesmas pastas. Alain-Aimé Nyamitwe continua a frente dos Negócios Estrangeiros, Léontine Nzeyimana permanece ministro da Presidência para a Comunidade África Oriental (EAC), Tabu Abdallah Manirakiza é mantida nas Finanças e Orçamento, Côme Manirakiza na Energia e Minas e Emmanuel Ntahomvukiye conserva a pasta de Defesa.

O novo Governo é marcado, sobretudo, pelo regresso de Alain-Guillaume Bunyoni ao ministério da Segurança Pública. Secretário Permanente do Conselho de Segurança Nacional, o Comissário Bunyoni já tinha ocupado aquela pasta entre 2007 e 2011.

Actor-chave do sistema de segurança do regime, Bunyoni é considerado um dos dois homens mais influentes da administração, ao lado do general Nshimirimana, assassinado 2 de Agosto corrente em Bujumbura.

Segundo observadores, o Governo é, em grande parte, composto e dominado pelos fiéis a Nkurunziza e por elementos da ala “dura” do partido no poder, o Conselho Nacional para a Defesa da Democracia - Forças para a Defesa da Democracia (CNDD-FDD).

"Entendíamos que este Executivo foi designado para preparar o terreno para um Governo de unidade nacional (...) mas é claramente ala dura do partido no poder que prevaleceu. Para nós, este é um Governo que não vai facilitar a cicatrização (da crise aberta pelo terceiro mandado de Nkurunziza) ou diálogo ", apesar da presença de ministros das fileiras de Rwasa, disse um diplomata ocidental em Bujumbura.

Os partidários de Agathon Rwasa, o principal opositor do Presidente Nkurunziza, que se tornou primeiro-vice-presidente do Parlamento, ocupam cinco ministérios de importância secundária (Boa Governação, Função Pública, Desenvolvimento Municipal, Transporte e Obras Públicas, Juventude e Desportos).

Outra entrada no Governo a assinalar é a da nova ministra da Justiça, Aimée-Laurentine Kanyana, uma juíza do Tribunal Constitucional que em Maio validou a candidatura de Nkurunziza para o terceiro mandato. "Pierre Nkurunziza está a recompensar os que o ajudaram a se manter no poder, em violação da Constituição", comenta Jeremy Minani, membro do CNARED, formação oposta ao terceiro mandato do Presidente. [FM]