Internacional

Nkurunziza pedala para o controverso terceiro mandato

2015-07-23 08:04:42 (UTC+01:00)

A contagem dos votos prosseguia ontem no Burundi, um dia depois de uma eleição presidencial marcada pela violência e condenação internacional.

Nenhum outro resultado é esperado senão ver o presidente Pierre Nkurunziza ganhar o controverso terceiro mandato.

Os resultados da votação, que acontece após meses de violência que forçou dezenas de milhares de burundeses a fugir do país, são esperados até o final de hoje, quinta-feira.

O presidente da Comissão Eleitoral Nacional Independente (CENI), Pierre-Claver Ndayicariye, disse que a taxa de participação é “sensivelmente a mesma” que a das legislativas do mês passado, ou seja, cerca de 74 por cento dos 3,8 milhões de eleitores registados foram votar, apesar do boicote da oposição.

Mas jornalistas com base em informações de colegas e outras pessoas posicionadas em diversas partes do país dizem que a mobilização foi na terça-feira globalmente inferior à verificada nas eleições de 29 de Junho último.

O Presidente Pierre Nkurunziza, 51 anos, não enfrentava nenhum adversário sério, mas os críticos dizem que a sua vitória será vazia e governará uma nação profundamente dividida.

Embora oito candidatos estivessem no boletim de voto, a maioria tinha-se já retirado da corrida denunciando o ambiente em que as eleições teriam lugar. Os que restaram não são vistos como tendo alguma possibilidade perante Nkurunziza.

A organização não-governamental International Crisis Group (ICG) alerta que a situação no Burundi tem todos os ingredientes para mergulhar o país numa guerra civil.

“Apesar da fachada de pluralismo, esta é uma eleição com apenas um candidato, onde os burundeses já sabem o resultado”, disse Thierry Vircoulon, do ICG.

Analistas dizem que um novo conflito no país poderia reacender a violência étnica Hutu-Tutsi e trazer um outro desastre humanitário na região. A última guerra civil no Burundi deixou pelo menos 300 mil pessoas mortas. [FM]