Internacional

Parlamento ruandês analisa pedido para Kagame concorrer a um 3º mandato

2015-05-29 05:30:16 (UTC+01:00)

O Burundi está em ebulição por causa da candidatura do presidente Pierre Nkurunziza para um terceiro mandato. No país seu vizinho, o Ruanda, o Parlamento diz ter recebido mais de dois milhões de pedidos da população para rever a Constituição de 2003.

Objectivo: permitir que o presidente Paul Kagame, no poder desde 2000, se apresente como candidato em 2017.

O Parlamento ruandês deve discutir antes de Setembro próximo de uma modificação da Constituição para que Kagame concorra a um terceiro mandato em 2017.

"Recebemos cerca de dois milhões de pedidos da população para a revisão do artigo 101 da Constituição sobre o limite de mandatos presidenciais", justificou Donatilla Mukabalisa, presidente da Câmara dos Deputados, segundo a “Jeune Afrique”.

Segundo Mukabalisa, há vários meses que os pedidos chegam no Parlamento, sob a forma de petições “espontâneas”.

"Eles vêm de indivíduos, grupos de indivíduos ou associações que enviam cartas ou comparecem pessoalmente", disse Mukabalisa.

As duas camaras que compõem o Parlamento ambas dominadas pela Frente Patriótica Ruandesa (FPR), partido no poder devem se pronunciar, entre 5 de Junho e 4 de Agosto, sobre o seguimento a dar a estas petições, disse a presidente da Câmara dos Deputados.

A Constituição ruandesa limita a dois o número de septenatos presidenciais e, portanto, interdita Paul Kagame, eleito em 2003 e 2010, a se candidatar pela terceira vez. Kagame está no poder desde que a então rebelde FPR pós fim ao genocídio ruandês de 1994.

Vice-presidente e ministro da defesa após o genocídio, ele tinha já as rédeas do poder antes de ser eleito presidente pelo parlamento em 2000 e por sufrágio universal directo em 2003, ao abrigo da actual Constituição, e reeleito em 2010.

Ele é creditado pelos muitos avanços do país desde o genocídio, mas é acusado pela oposição de sufocar qualquer voz discordante. [FM]