Internacional

Presidente turco promete acabar com os militantes do PKK

2015-08-12 04:47:45 (UTC+01:00)

O Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, declarou ontem que a ofensiva armada contra os militantes do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) vai prosseguir "até não restar qualquer terrorista".

"Continuaremos o nosso combate até que as armas sejam depostas e que não reste qualquer terrorista no interior das nossas fronteiras", disse o Presidente turco, num discurso transmitido pela televisão, acrescentando que a campanha aérea contra o PKK, que se prolonga há mais de duas semanas, já infligiu "sérias perdas" a este grupo.

O chefe de Estado turco e antigo primeiro-ministro disse ainda que foram conduzidas "operações eficazes" contra o grupo Estado Islâmico (EI).

"Também efectuámos operações eficazes contra o Daesh (acrónimo árabe que designa o Estado Islâmico) e que ameaça a nossa segurança", sublinhou.

"Não distinguimos entre organizações terroristas. Qualquer que seja o seu objectivo, uma organização terrorista é para nós uma organização terrorista", insistiu.

Erdogan declarou ainda “congelado” o processo de paz iniciado no final de 2012 com o PKK.

"Infelizmente, não compreenderam o que foi feito" por eles, e "o processo de resolução está desta forma, e neste momento, congelado", afirmou.

Na segunda-feira, em entrevista à BBC, o líder do PKK, Cemil Bayik, acusou o governo turco de tentar proteger o EI para impedir que os curdos conquistem mais direitos e territórios.

"Os turcos alegam estar lutando contra o 'EI', mas na verdade lutam contra o PKK", disse Bayik.

"Estão a fazer isso para limitar a luta do PKK contra o 'EI' ", realçou
Ancara desencadeou a 24 de Julho último uma "guerra contra o terrorismo" visando em simultâneo o PKK e o EI na Síria.

Embora negue que a campanha seja uma desculpa para avançar contra os curdos, as dezenas de raides aéreos realizados desde o início da campanha concentraram-se na guerrilha curda, com apenas três assinalados contra posições do EI. [FM]