Internacional

Prisão preventiva para duas enfermeiras acusadas de roubar 500 vacinas

2021-04-05 10:00:04 (UTC+01:00)

Um juiz de Guayaramerín, na Bolívia, decretou a medida de coação mais gravosa, prisão preventiva, para duas enfermeiras acusadas de tentar roubar 500 vacinas contra a Covid-19.

As profissionais de Saúde estavam responsáveis por meia centena de doses que desapareceram de um centro de Saúde e que, depois, foram devolvidas.

"De acordo com os elementos apurados, o juiz determinou a detenção preventiva para duas das acusadas por um prazo de 60 dias", indicou um responsável judicial à agência Efe.

As duas enfermeiras em causa, que estão acusadas de delitos de incumprimento de deveres e de contrato, vão cumprir a prisão preventiva na cidade de Guayaramerín, perto da fronteira com o Brasil, enquanto a investigação prossegue na busca "de mais elementos que possam esclarecer o incidente".

As vacinas contra a Covid-19 desapareceram na passada quinta-feira, de um centro de saúde local, tendo os responsáveis da rede de saúde local denunciado o caso às autoridades assim que se aperceberam. No mesmo dia, as doses foram devolvidas por "encapuzados" nas imediações do centro de saúde.

Ainda que tenham sido todas devolvidas, terão que ser descartadas, porque foram tiradas das condições ideais de frio e desconhece-se se foram tratadas adequadamente.