Internacional

UE acusa Moscovo de colocar em risco esforços de paz na Síria

2015-10-13 05:54:20 (UTC+01:00)

A União Europeia acusou ontem, a Rússia de colocar em risco os esforços de paz na Síria, pedindo a Moscovo que pare de bombardear os rebeldes, mas não chegou a um consenso sobre o papel do presidente sírio, Bashar al-Assad, na resolução da crise.

Procurando uma postura unificada na sua crítica à intervenção militar russa na Síria, os ministros dos Negócios Estrangeiros da UE alertaram que os ataques aéreos concebidos para apoiar Assad também podem aprofundar a guerra civil de quatro anos e meio, que já matou 250 mil pessoas.

“Os recentes ataques militares russos (...) causam grande preocupação e precisam cessar imediatamente”, declararam os ministros no seu comunicado mais contundente sobre a intervenção da Rússia.

“A escalada militar traz o risco de prolongar o conflito, minar um processo político, agravar a situação humanitária e aumentar a radicalização”, disseram os representantes reunidos em Luxemburgo.

"É cada vez mais urgente encontrar uma solução duradoura para colocar fim ao conflito", acrescentam no texto, no qual convocam "um processo dirigido pelos sírios" que leve a "uma transição pacífica e inclusiva", sem referências se Bashar al-Assad deve ou não participar dela, sinal da divisão no seio da UE em relação à matéria.

Depois de anos de omissão na Síria, agora a união de 28 nações está desesperada para conter o fluxo de imigrantes. As suas críticas agudas a Moscovo enfatizam o quão titubeantes foram as iniciativas diplomáticas desde a reunião da Organização das Nações Unidas (ONU) em Nova Iorque no final de Setembro último, na qual a Europa e os Estados Unidos pediram ajuda à Rússia.

Os ataques aéreos russos na Síria direccionados não apenas aos militantes do Estado Islâmico (EI), mas também a grupos de oposição alienaram o Ocidente e deixaram a diplomacia da UE e dos EUA mergulhada na confusão, segundo diplomatas. [FM]