Internacional

Zimbabwe não tem fundos para indemnizar agricultores afectados pela reforma agrária

2018-12-07 05:36:15 (UTC+00:00)

O Governo do Zimbabwe diz não ter fundos para assegurar indemnizações destinadas a antigos agricultores brancos, a quem foram retirados terrenos agrícolas com a última reforma agrária conduzida pelo executivo do presidente Emmerson Mnangagwa.

"Enquanto o trabalho no âmbito das obrigações do Governo ainda está para ser concluído, os recursos necessários para compensar e concluir assuntos importantes (como a compensação para agricultores expulsos) estão obviamente para lá da capacidade do orçamento", disse o Tesouro zimbabweano, num relatório lançado este mês, contrariando assim a ideia do presidente Mnangagawa.

A indemnização de antigos agricultores era uma das principais promessas de Mnangagwa, que a vê como uma forma de desbloquear o financiamento para o país e como uma ponte para o restabelecimento de relações com a comunidade internacional.

Na apresentação da primeira proposta de Orçamento do Estado para 2019, o ministro das Finanças do Zimbabwe, Mthuli Ncube, afirmou que o Governo estava a trabalhar para determinar quanto deveria pagar aos lesados.

Na ótica do Tesouro, o Zimbabwe não tem recursos para pagar estas indemnizações, uma vez que considera prioritários os pagamentos de dívidas em atraso ao Banco Mundial e ao Banco Africano de Desenvolvimento (BAD).

As medidas de Ncube para estimular a economia do Zimbabwe - o ministro propõe que bancos e empreiteiros forneçam fundos a agricultores - têm sido contestadas.

Segundo os media locais, o Governo está agora a "mobilizar estratégias e a procurar mecanismos de financiamento".

Apesar da controvérsia levantada pela expropriação de terras no Zimbabwe e pelo consequente corte na produção agrícola, o Presidente diz que não vai recuar na medida.