Nacional

Balas não têm cores partidárias: Roberto Chitsondzo

2015-09-15 12:50:32 (UTC+01:00)

O musico moçambicano, Roberto Chitsondzo, apela ao presidente da Perdiz, Afonso Dhlakama a enveredar pelos caminhos da paz e do diálogo, porque as balas disparadas não sabem distinguir cores partidárias podendo ferir inocentes.

O apelo foi deixado pelo artista por ocasião das comemorações do Dia Mundial da Democracia que se assinala hoje.

Para o músico que já relatou em suas composições vivências da guerra que devastou o país durante 16 anos, acredita que, Dhlakama, em nome da democracia que tanto prega e defende devia fazer alguma coisa que ajude a mante-la.

De acordo com Chitsondzo, as pessoas que enchem os comícios do líder da Renamo e que de certo modo são um incentivo para ele, podem não ser boas conselheiras “estes podem não estar a facilitar o trabalho dele e não estão a leva-lo a pensar que no dia em que rebentar uma guerra não estaremos em condições de saber para onde e que essa bala vai e não escolherá atingir o partido X ou Y”.

No que concerne a “saúde” da democracia no país, na visão do artista, Moçambique está num bom caminho, porque os cidadãos podem por si eleger os seus dirigentes, “as pessoas hoje em dia tem estado a discutir aspectos relacionados a governação embora o conhecimento técnico para algumas questões não seja do domínio público”.

Chitsondzo falou ainda da participação da mulher nos fóruns de decisão do país “ embora estejamos um pouco a quem da nossa vontade, no meu ramo de activividade que é a cultura já encontramos mulheres que beneficiam desta abertura para a discursão da questão do género o que significa que, o nível de democracia no nosso país é aceitável”.

Finalizando o artista deixou um apelo ao presidente da Renamo “estamos a pedir a paz e isso não é dito só por mim mas por muitas mais pessoas”, e pediu também para o presidente da república, Filipe Nyusi continuar com o propósito de construir a paz. [FI]