Nacional

Cerca de 50 portadores de albinismo marcha contra sequestros

2015-08-30 07:10:28 (UTC+01:00)

Um universo estimado em cerca de 50 pessoas portadoras de albinismo, na sua maioria adolescentes, marchou na manhã de ontem na capital moçambicana, Maputo, em repúdio aos sequestros que têm sofrido, em particular no norte do país.

MAPUTO - O presidente da Associação Moçambicana de Apoio aos Albinos (AMAA), William Savanguane, que falava após o termo da marcha, os raptos e assassinatos de pessoas portadoras de albinismo registam níveis preocupantes, porquanto só no corrente ano houve pelo menos 18 casos em todo o país.

Savanguana explicou citado pela AIM que a protecção de pessoas portadoras de albinismo também deve ser tarefa de toda a sociedade.

Frisou que pessoas albinas merecem um tratamento igual ao de todos, uma vez que eles saem de famílias e não escolheram ser albinos, pelo que merecem todo amparo.

A fonte vincou a necessidade de haver mais esforços para travar o fenómeno, para que a onda de sequestros termine na província de Nampula, norte do país, e não se alastre para as regiões centro e sul do país.

“O rapto de albinos acontece mais em Nampula. Então, para que acabe é preciso a sociedade e as organizações governamentais e não-governamentais adoptem medidas cautelares para que não chegue às províncias do centro e sul”, disse.

O tráfico de pessoas albinas é tido como um fenómeno associado a superstição, uma vez que alguns quadrantes da sociedade acreditam que a extracção de órgãos humanos em pessoas portadoras de albinismo pode gerar riqueza e sorte nas suas vidas.[OD]