Nacional

Doentes de HIV criam resistência a antirretrovirais

2015-06-19 09:13:19 (UTC+01:00)

Médicos que operam no distrito da Manhiça em Maputo alertaram a necessidade de uso de medicamentos alternativos para o tratamento do HIV, isto porque, parte dos pacientes desenvolveu resistência ao fármacos.

Um estudo desenvolvido por investigadores do Instituto de Saúde Global de Barcelona e do Instituto de Investigação da Sida, publicado ontem na revista Journal of Antimicrobial Chemoptherapy, demonstrou que está a aumentar a resistência do VIH contra os medicamentos disponíveis.

Segundo a investigadora María Rupérez, as pessoas que desenvolveram resistência aos tratamentos podem transmitir essa resistência no momento de contágio da infeção, pelo que o número de mutações do vírus deverá aumentar com o tempo.

O estudo revela que a falta de antirretrovirais alternativos, juntamente com a ausência de mecanismos de monitorização nos países em desenvolvimento, impede que se detete o fracasso dos tratamentos a tempo de mudar os fármacos e suspender a progressão da doença.

Este estudo foi realizado no Centro de Investigação de Saúde de Manhiça, uma das regiões com maior prevalência de VIH em África, com 40% da população infetada.

Os resultados obtidos mostram que 24% dos pacientes tratados em Manhiça apresentava cargas virais elevadas, o que significa que o vírus continua a replicar-se apesar de receberem tratamento. Destes, 89% desenvolveu resistência aos fármacos antirretrovirais que se utilizam habitualmente.

"Estes dados são preocupantes porque se o tratamento que estes pacientes seguem não está a funcionar, é necessário mudar para outros tratamentos, que são mais caros e nem sempre estão disponíveis", alertou María Rupérez. [FI]