Nacional

ENH garante que perspectivas de ganhos com gás natural “é coisa séria”

2015-10-29 06:56:57 (UTC+00:00)

O presidente da Empresa Nacional de Hidrocarbonetos (ENH) considerou ontem que a perspectiva de ganhos com a exploração de gás natural no norte do país "é coisa séria", traduzida num forte crescimento da economia e receitas para o Estado.

MAPUTO - "A coisa na bacia do Rovuma é séria e este projecto será o maior da África subsaariana em termos de 'project finance'", declarou Omar Mitha, Presidente do Conselho de Administração da petrolífera estatal ENH, falando durante uma conferência sobre ganhos do Estado pela exploração de hidrocarbonetos, organizada pelo Centro de Integridade Pública (CIP) em Maputo.

Segundo escreve a Lusa, multinacionais petrolíferas que actuam em Moçambique descobriram reservas estimadas em cerca de 200 biliões de pés cúbicos de gás natural na bacia do Rovuma, província de Cabo Delgado, e espera-se que 31 mil milhões de dólares sejam investidos na exploração deste recurso nos próximos anos.

Segundo Omar Mitha, quando o gás natural estiver em exploração, o Produto Interno Bruto de Moçambique poderá disparar dos actuais 16 mil milhões de dólares para 39 mil milhões de dólares em 2035, além de arrastar a construção de infra-estruturas e criação de emprego, estimada em 700 mil novos postos de trabalho.

A ENH prevê ainda que o Estado arrecade mais de 67 mil milhões de dólares em receitas da exploração do gás natural de Rovuma, admitindo que o valor possa aumentar durante o desenvolvimento do projecto.

O presidente da ENH advertiu por outro lado para a vulnerabilidade de Moçambique face à instabilidade dos mercados internacionais, numa fase em que a cotação das matérias-primas tem estado em baixa, contribuindo para que as multinacionais líderes na exploração de gás natural na bacia do Rovuma, ENI e Anadarko, não tenham ainda tomado as suas decisões finais de investimento.

"É preciso percebermos que nós estamos vulneráveis à instabilidade do mercado internacional e essa vulnerabilidade não se dissipa pela mera diversificação da economia", disse Omar Mitha, enaltecendo a necessidade de o país garantir financiamentos.

Dados apresentados ontem indicam que cerca de sete mil milhões de dólares foram gastos nas operações de pesquisa da bacia do Rovuma e cujos resultados levantam a expectativa de Moçambique figurar no mapa dos maiores produtores de gás natural do mundo. [OD]