Nacional

Família Machel ainda esperançosa sobre esclarecimento do acidente aéreo de Mbuzine

2015-10-20 07:45:46 (UTC+01:00)

A família do primeiro Presidente de Moçambique independente, Samora Machel, afirmou ontem que ainda aguarda informações sobre as causas da queda, em 19 de Outubro de 1986, do avião que transportava o estadista, matando todos os 34 ocupantes.

MAPUTO - "Já há bastante tempo que não temos acompanhado (o curso da suposta reabertura das investigações em torno do despenhamento do avião), não saberíamos dizer em que pé está o processo", disse ontem, à comunicação social, Samito Machel, filho de Samora Machel, por ocasião do 29.º aniversário da morte do seu pai, citado pela Lusa.

A família de Machel, prosseguiu o filho, aguarda a todo o momento informações sobre o desastre aéreo e vai usar os meios que estiverem ao seu alcance para o esclarecimento do caso.

"É ansiedade nossa como família, mas também de todo o povo moçambicano, saber como é que Samora Machel morreu, quem matou Samora", afirmou Ornília Machel, filha do antigo Presidente, também em declarações à comunicação social.

O avião presidencial em que seguia Samora Machel, um Tupolev de fabrico russo, caiu na localidade sul-africana de Mbuzini e os governos de Moçambique e da África do Sul, quando neste país ainda vigorava o sistema racista do "apartheid", divergiram quanto às razões para o despenhamento do avião.

Maputo acusou Pretória de ter provocado a queda do aparelho, como forma de travar Samora Machel no apoio que prestava à causa "antiapartheid", enquanto as autoridades sul-africanas da altura imputaram o despenhamento a erros de pilotagem.

Os sucessivos governos do Congresso Nacional Africano (ANC), partido que subiu ao poder após o fim do "apartheid" e aliado da Frelimo, partido no Governo, prometeram reabrir as investigações em torno do acidente, mas até ao momento não se conhecem os resultados. [OD]