Nacional

Igreja católica pede que Governo e Renamo abandonem armas e retomem ao diálogo

2015-11-08 13:35:35 (UTC+00:00)

A Igreja Católica apelou hoje ao Governo e à Renamo para que abandonem as armas e retomem de imediato o diálogo, deplorando "a incoerência entre o que se diz e o que se faz".

MAPUTO - "Apelamos ao Governo e à Renamo para o abandono absoluto das armas, a retomada imediata do diálogo eficaz entre as partes em conflito, envolvendo outras forças vivas da sociedade", disse o arcebispo de Maputo, Francisco Chimoio, após um encontro do Presidente da República, Filipe Nyusi, com a Conferência Episcopal.

Segundo Francisco Chimoio, o apelo resulta dos clamores que chegam aos líderes católicos e que os levam a manifestar preocupação com a "contínua deterioração" da situação político-militar.

O arcebispo de Maputo referiu que os clamores são traduzidos pelos “muitos gritos das famílias enlutadas que choram a morte dos seus filhos caídos em combate, dos deslocados internos que são obrigados a abandonar suas casas e outros bens para se refugiarem no mato, dos deslocados externos que deixam o próprio país perante o risco de perderem a vida”.

O líder católico mencionou também os agricultores que não podem trabalhar a terra e os investidores “que veem o fracasso dos seus negócios pela insegurança progressiva”, além dos empresários do ramo do turismo, cujos empreendimentos estão a falir, aumentando o desemprego, e a “população em geral, que sente os preços a aumentar e o metical a desvalorizar-se”.

Lamentando “a incoerência entre o que se diz e o que se faz”, Francisco Chimoio deixou ainda um apelo a todos os moçambicanos para “a construção da paz através de gestos de reconciliação e da convivência civil e democrática e respeito pelas diferenças e responsabilidade pelo desenvolvimento do país”.[OD]