Nacional

Manica-Báruè: Turmalinas estão a ser “caçadas” por quatro mil garimpeiros

2015-06-17 09:17:36 (UTC+01:00)

Cerca de quatro mil garimpeiros e vendedores informais de minérios, na sua maioria estrangeiros, se encontram acampados no distrito de Báruè, província de Manica, onde foram identificados novos jazigos de pedras preciosas de tipo turmalina.

MAPUTO - Segundo o jornal Notícias, para além dos estrangeiros que se encontram nos locais de exploração do minério, existem aqueles que se dedicam à comercialização, estando acampados nas imediações dos locais de extracção e na vila de Catandica, para onde afluem os garimpeiros para a venda do seu produto.

O administrador distrital de Báruè, Joaquim Zefanias, descreveu a situação de caótica, uma vez que, para além da falta de capacidade de alojamento a nível da indústria hoteleira, receia-se que venham a incrementar-se os índices de criminalidade e prostituição no distrito, em geral, e na vila de Catandica, em particular.

Sobre o alojamento, a situação, que é descrita como sendo crítica, é extensiva à cidade de Chimoio, onde para além de estrangeiros que lotaram as instalações hoteleiras da cidade, que ficaram sem espaço para novas admissões, estão também presentes participantes de eventos de instituições públicas de nível nacional que decidiram reunir-se em Chimoio.

Joaquim Zefanias disse que a situação inspira cuidados especiais, mas está controlada. Elementos ligados aos vários serviços de atendimento a estrangeiros e não só, segundo ele, foram accionados para atender à demanda, monitorar a situação e tomar as medidas que se acharem oportunas.

No distrito de Báruè, limítrofe com o Zimbabwe, prolifera um sem-número de estrangeiros provenientes de quase todos os países africanos, que se deslocam àquela região à procura de turmalinas e para realizar uma infinidade de negócios, muitos dos quais ilícitos. [OD]