Nacional

MINEDH detecta 101 fraudes académicas

2015-10-28 06:53:51 (UTC+00:00)

As fraudes académicas no país, continuam a preocupar o Ministério da Educação e Desenvolvimento Humano (MINEDH).

MAPUTO - Nos exames extraordinários que tiveram lugar em Agosto do ano em curso, o MINEDH detectou 101 casos de fraude académica, dos quais mais de 92 por cento envolvendo o uso de telemóveis, anunciou esta terça-feira o director do Conselho Nacional de Exames, Certificação e Equivalências (CNECE), Ivan Collinson, citado pela AIM.

“Preliminarmente, foram reportados 101 casos de fraude, onde mais de 92 por cento por telemóvel, isso nos exames da 12ª classe”, revelou o director, que falava em conferência de imprensa havida em Maputo.

Segundo Collinson, que é igualmente porta-voz do MINEDH, referiu que após o trabalho de verificação posterior, foram registadas novas ocorrências, que culminaram com a anulação de quatro exames em nove escolas.

As escolas em causa, segundo a fonte, abrangem todas regiões de Moçambique, onde a zona sul apresenta um maior número de escolas envolvidas da fraude.

“Neste processo, foram anulados quatro exames atinentes à disciplina de Física, Introdução à Filosofia, Inglês e português”, afirmou o porta-voz, acrescentando que “0,5 porcento do universo dos examinandos estão envolvidos na fraude e, neste caso, o MINEDH constatou também que maior parte dos examinandos não adere às fraudes”.

Lamentou o facto de se registar uma tendência crescente no número de casos de fraude. Segundo o director do CNECE, de 2014 para 2015, os casos de fraude académica subiram para 51 por cento, facto que preocupa sobremaneira o MINEDH, instituição que tem a missão de regular e fiscalizar o processo educacional em Moçambique.

“O que nos preocupa mais é a sofisticação da fraude, pois temos cidadãos que têm recorrido à fraude por via de cábula ou copia e meios electrónicos como, por exemplo, o telemóvel”, afirmou Collinson, adiantando que este facto preocupa o MINEDH e daí a necessidade de sofisticar os mecanismos de vigilância.

“Vamos fortificar a vigilância dos professores e técnicos envolvidos no processo de realização de exames, na distribuição, realização, supervisão até a publicação”, acrescentou a fonte. [OD]