Nacional

“Não é com tiros que vão resolver os seus problemas” Muchanga

2015-06-16 11:14:25 (UTC+01:00)

Um ataque ao quartel da Renamo, ocorrido no último domingo, no distrito de Moatize na província de Tete, fez um número ainda não identificado de mortos e feridos.

Dados avançados pelo porta-voz da Renamo, António Muchanga, na manhã desta terça-feira na sede do seu partido em Maputo, dão conta de que dois camiões carregados de militares e uma viatura Land Cruser com uma metralhadora atacaram o quartel da Renamo, naquele ponto do país.

Sem avançar o número de mortos e feridos, o porta-voz da Perdiz, disse que seu partido condena os confrontos, “a agressão que as forças da Renamo estão a sofrer em Tete são perpetradas pelas Forças de Intervenção Rápida (FIR) e da FADM, no terreno há sangue de moçambicanos derramados sem justa causa”.

Muchanga, ainda deixou ficar que para o seu partido “esta situação cria nervosismo”, e que a paciência dos comandantes da Perdiz está a esgotar-se “o presidente Afonso Dlakama está preocupado, e na qualidade de Comandante em Chefe das forças armadas da Renamo pede ao governo para que a paz seja realidade no país”.

De acordo com declarações de Muchanga, na passada quinta-feira as forças do governo atacaram os homens da Renamo em funhalouro, mas deste ataque, não ouve confrontos porque os homens do seu partido conseguiram escapulir-se.

“Infelizmente o mesmo não ocorreu em Tete e devido ao perigo eminente as forças da Renamo tiveram de defender-se o que resultou no derramamento de sangue. Queremos através de vós apelar as forças vivas da sociedade para que façam algo, para que efetivamente paz na Republica de Moçambique seja uma realidade”.

Finalizando Muchanga disse que “não podemos celebrar, o 16 de junho, Dia do Massacre de Moeda, nos massacrando uns aos outros. Achamos nós que esta data deve servir de lição para que os moçambicanos percebam que não é com tiros que vão resolver os seus problemas, mas sim um diálogo sério e pró-ativo”.[FI]