Nacional

Nyusi aconselha jornalistas a não excluírem fontes

2015-11-24 06:22:38 (UTC+00:00)

O Presidente da República, Filipe Nyusi, apelou ontem aos profissionais de comunicação social para ouvirem com isenção todas as partes envolvidas numa determinada reportagem, dando voz a todos, sem exclusão.

MAPUTO - “Se assim procederem, com isenção e profissionalismo, a informação é um espaço de exercício da democracia”, ressalvou para depois frisar que a comunicação social é um espaço de exercício do diálogo construtivo, diálogo que constitui um dos pilares de uma paz verdadeira e sustentável.

Na ocasião, o Chefe do Estado recordou o facto de Moçambique ser um país que se orgulha do respeito pela liberdade de imprensa e de opinião. “Essa conquista deve ser defendida não apenas a nível político e institucional, mas, sobretudo, pelo brio e profissionalismo dos próprios trabalhadores da comunicação social”, disse, citado pelo jornal Notícias.

Como a apresentar uma comunicação sobre prática jornalista, Filipe Nyusi recordou uma passagem do seu discurso de tomada de posse, quando afirmou que “as boas ideias não têm cor partidária”, fazendo um paralelismo com o que chamou de “bom jornalismo” que, segundo disse, “tem uma única cor: o respeito pela verdade”.

“Para chegar à verdade, porém, há um trabalho apurado a ser feito. É preciso investigar os factos, escutar e interrogar as fontes e ser eticamente responsável”, disse, acrescentando que “o progresso de Moçambique, num caminho de harmonia e crescimento, depende de uma informação de qualidade, depende de uma informação crítica, patriótica e construtiva de futuro”.

Para Nyusi, os meios de comunicação não são apenas formas de informar, educar e entreter. São mecanismos de troca e de diálogo em que o cidadão comum deve encontrar espaço de participação activa.

“Por isso, a comunicação social deve continuar a lutar por merecer credibilidade e estatuto de “olheiros do cidadão”, monitorando o desempenho legal e ético das instituições públicas e privadas dos seus respectivos titulares”, alertou Filipe Nyusi. [OD]