Nacional

Nyusi defende que todos têm a responsabilidade de garantir a qualidade de ensino

2015-05-10 07:57:01 (UTC+01:00)

O Presidente da República, Filipe Nyusi, defendeu ontem que cada um dos intervenientes do sector da educação deve assumir o seu papel para garantir a qualidade de ensino no país.

Segundo Nyusi, tanto o governo, aos diferentes níveis, quanto aos gestores do sector de educação e o corpo docente tem a responsabilidade de procurar os melhores caminhos que possam conduzir à melhoria da qualidade de ensino.

O Presidente da República falava durante um encontro que este sábado manteve com os funcionários da educação, entre técnicos, directores das escolas e professores, bem como representantes da comunidade adstrita à Escola Secundaria de Nhacoongo, no distrito de Inharrime, onde o evento teve lugar, no quadro da sua visita de trabalho `a provincial de Inhambane iniciada sexta-feira.

Momentos antes do encontro, Nyusi visitou uma turma daquela escola secundária, onde, na sua interacção com os alunos, constatou sérios problemas de aproveitamento pedagógico, até porque a referida turma, que havia sido preparada para ser visitada, incluía alunos de diferentes níveis, algo que decepcionou o Chefe de Estado.

"Não pode acontecer que um aluno da 10ª classe não saiba quantas províncias Moçambique tem. Alguns nem sequer sabem que estão na província de Inhambane", lamentou Nyusi, para quem as condições existentes naquela escola não justificam que haja esse tipo de desempenho.

"Uma das grandes prioridades é educação e a qualidade de ensino", disse Nyusi, reconhecendo que 'vai levar algum tempo.

Durante a visita à escola, os alunos pediram energia eléctrica, água potável e laboratório.

"Isto, de facto, precisam, mas o básico para estudar têm. Estudam de dia e não a noite. Podem precisar energia eléctrica para o laboratório ou para tecnologias de informação e comunicação. O que pediram não é luxo, mas também não é essencial para saberem ler ou escrever", frisou Nyusi, instruindo, porém, o governo provincial para satisfazer o pedido.

Aliás, os professores que falaram durante o encontro reconheceram que a qualidade de ensino tem vindo a cair ao longo dos últimos anos e culparam algumas estratégias que vem sendo tomadas, tanto na componente de conteúdos que estão sendo leccionados nas classes iniciais quanto a própria gestão do sector.

"Sou professor há mais de 30 anos. Ate os anos 80 um aluno da segunda classe fazia ditado, mas hoje, mesmo um da sétima classe não o faz", explicou um professor, questionando sobre o que terá mudado.

Lucia Victor, uma outra professora com 30 anos de serviço, propôs a revisão de conteúdos e programas. Pediu também incentivos para moralizar o professor, de forma a mantê-lo sempre na escola.

Em resposta, o Presidente da Republica exortou os professores e, sobretudo, os gestores de educação a trabalharem para reverter a situação, realçando o comprometimento do governo de tudo fazer para o alcance do objectivo comum: a melhoria da qualidade de ensino no país.

Para além da visita a escola secundária de Nhacoongo e encontro com os funcionários da educação ao nível da província de Inhambane, Nyusi orientou um comício na vila sede do distrito de Inharrime e uma sessão extraordinária do governo distrital, alargada aos membros do Conselho Consultivo Distrital e outros quadros.

Tratou-se do segundo dia da visita presidencial a província de Inhambane, sendo que hoje, Nyusi escala o distrito de Massinga, para, Segunda-feira terminar no distrito de Govuro.

[FM – FOLHA DE MAPUTO]