Nacional

OCAM:Profissionais recém-formados devem ser úteis para sociedade

2015-08-07 14:56:35 (UTC+01:00)

“O Ministério da Educação e as instituições de ensino superior, devem se aliar as ordens profissionais na elaboração dos planos dos cursos que pretendem introduzir no mercado”.

Essas declarações são da autoria de Hendro Nhavane, que participou do evento, ontem, de lançamento das Jornadas de reflexão sobre a educação, em representação da Ordem dos contabilistas e auditores de Moçambique (OCAM).

Para Hendro Nhavane, só o profissional de uma determinada área pode avaliar quais são as qualidades necessárias para o seu enquadramento no mercado de emprego.

“Também é necessário consultar a essas pessoas quais são as necessidades do mercado, quais são as expectativas dos empregadores, que são essas pessoas que no fim irão empregar os estudantes”.

Nhavele, foi ainda mais longe ao afirmar que “não faz sentido, formar alguém que não vai ser útil, ou seja, que mesmo depois de formado a entidade que o empregar tenha de investir numa capacitação para que o recém-formado e contratado se enquadre as necessidades da instituição”.

Concluindo, Nhavele afirmou, que em alguns países essa parte de formação técnica é incumbida as ordens profissionais e cabe apenas ao governo regulamentar e garantir que a qualidade de ensino, método que ele pensa que devia ser adoptado no nosso país. [FI]