Nacional

PRM neutraliza caçadores ilegais em Manica

2015-09-17 07:46:40 (UTC+01:00)

Pelo menos 36 caçadores furtivos foram neutralizados pela Polícia moçambicana em flagrante delito ou na posse de carcaças de animais abatidos ilegalmente numa área de conservação, no distrito de Macossa, na província de Manica.

MAPUTO - O administrador distrital, Vasco Ferramenta Mendonça, disse há dias citado pelo Notícias, que, para além da prisão dos caçadores furtivos, a PRM, em Macossa, confiscou diverso material usado na caça ilegal, desde armas de fogo de fabrico artesanal até a ratoeiras mecânicas de grande capacidade.

Entre os equipamentos de caça apreendidos, destacam-se armas de fabrico de artesanal de vários calibres, as quais podem matar todo o tipo de animais que habitam na coutada, desde os de pequeno porte até ao de grande, em cuja lista se destacam os elefantes. Naquela coutada abundam animais como cudos, cabritos do mato, javalis, antílopes, entre outras espécies.

Naquela área de conservação está em curso um projecto turístico ligado à conservação de ecossistemas, da biodiversidade e exploração de potencialidades faunísticas, como produto turístico. Os recursos naturais mais preponderantes na região são animais, os quais estão a ser vítimas de extermínio por parte de caçadores furtivos.

Os caçadores ora detidos, confessaram o crime e disseram que estavam a caçar os animais para alimentar as suas famílias por falta de emprego e outras oportunidades de geração de rendimento, através das quais poderiam suprir as suas necessidades básicas.

Os caçadores ilegais que terão de enfrentar penas pesadas são acusados de terem morto ilegalmente javalis e outras espécies abundantes na coutada. Os mesmos podem ser condenados a penas que variam entre um e 12 anos de prisão. Estes e outros processos criminais já foram remetidos para julgamento.[OD]