Nacional

Renamo recusa aderir ao Fundo da Paz e Reconciliação Nacional

2015-07-30 12:53:51 (UTC+01:00)

A Renamo recusou aderir ao Fundo da Paz e Reconciliação Nacional, criado na sequência do acordo que pôs fim às hostilidades militares, e com o objectivo de apoiar a reinserção social dos homens armados do movimento.

MAPUTO - Esta terça-feira, o porta-voz da Renamo, António Muchanga, veio a público assegurar que “os ex-guerrilheiros não vão aderir ao Fundo da Paz e Reconciliação Nacional”, citado pelo portal A bola.

Este fundo pretende promover a criação de emprego para os homens armados da Renamo, apoiar iniciativas e projectos de desenvolvimento económico, fortalecer a capacidade de criação, implementação e gestão de negócios e ainda incentivar o associativismo.

Questionado se alguns guerrilheiros da Renamo não iriam desobedecer às ordens do líder da Renamo, Afonso Dhlakama, e alistarem-se no Fundo da Paz e Reconciliação Nacional, António Muchanga sublinhou que os guerrilheiros “não vão alinhar em nada, a não ser às ordens do partido”.

Segundo o mesmo jornal, os primeiros projetos propostos para combatentes do movimento arrancam a 1 de agosto e estão avaliados em cerca de 8,9 milhões de euros.[OD]