Nacional

Sexta-feira expira missão da EMOCHM

2015-05-12 06:51:37 (UTC+01:00)

A missão da Equipa Militar de Observação da Cessação das Hostilidades Militares (EMOCHM) expira oficialmente na sexta-feira da semana corrente, anunciou esta segunda-feira o chefe da delegação do governo para o diálogo com a Renamo, José Pacheco.

MAPUTO - A primeira missão EMOCHM, que teve a duração de 135 dias, expirou em Fevereiro do ano em curso, tendo sido prorrogada por um período adicional de 60 dias depois de várias contradições entre as partes sobre o assunto.

A Renamo defendia a prorrogação por mais 100 dias, enquanto o governo apenas 60 dias.

Contudo, as partes acabaram concordando em prorrogar por mais 60 dias. Porém, mais uma vez nada aconteceu e, avaliando pelas declarações de Pacheco, os peritos militares internacionais “não mais regressarão ao país” numa missão do género.

“Até aqui constatamos que o país não pode continuar a financiar a ociosidade. Mas vamos tomar as decisões assim que terminar a missão”, disse Pacheco que ocupa igualmente o cargo de ministro da agricultura e segurança alimentar.

“Trouxemos pessoas por 135 dias sentadas nos hotéis, a dormir nos hotéis e uma e outra vez viajar, o que tem custos de alojamento e outras despesas para ir verificar coisas que não têm nada a ver com o acordo da cessação das hostilidades”, disse.

Referiu que os países foram convidados para uma segunda missão, de 60 dias, na espectativa de que a questão do desarmamento da Renamo seria ultrapassada.

“Mas, mais uma vez, estamos a financiar um grupo que está ocioso em hotéis, com todos os custos. E perguntamos a Renamo: é isso que queremos continuar a fazer? Continuar a gastar o dinheiro dos impostos dos moçambicanos para pagar a ociosidade a pretexto da implementação dos acordos de paz?”, questionou.