Nacional

Moçambique é o país lusófono com mais casos de malária

2020-12-01 07:28:41 (UTC+00:00)

Moçambique é o país lusófono com mais casos de malária, ocupando o quarto lugar na lista dos Estados da região africana da OMS com mais infeções, enquanto Cabo Verde continua sem registos, de acordo com um relatório divulgado esta segunda-feira.

O relatório anual do Programa Global Contra a Malária da Organização Mundial da Saúde (OMS), que analisou 20 anos de luta contra esta doença, refere que, dos 215 milhões de casos e 384.000 mortes devido à malária registados em todo o mundo no ano passado, a região africana foi responsável por cerca de 94% dos casos e mortes.

Nesta região, as mortes devido à malária baixaram 44% nos últimos 20 anos, passando de 680.000 em 2000 para 384.000 em 2019. Por seu lado, a taxa de mortalidade por malária foi reduzida em 67% durante este período (de 121 para 40 por 100.000).

A OMS salienta, contudo, que a taxa de progresso abrandou, o que se deve sobretudo à "estagnação do progresso em vários países com transmissão moderada ou elevada".

Segundo esta organização, 27 dos 29 países que são responsáveis por 95% dos casos de malária a nível mundial encontram-se na região africana da OMS. A Nigéria (27%), a República Democrática do Congo (12%), Uganda (5%), Moçambique (4%) e Níger (3%) representaram cerca de 51% de todos os casos a nível mundial.

No relatório, Cabo Verde -- que não teve nenhum caso de malária em 2019, prosseguindo este ano sem registos - é apontado como um dos sete países da região que estão no bom caminho para alcançar a meta de uma redução de 40% da incidência de casos de paludismo, tal como o Botsuana, Etiópia, Gâmbia, Gana, Namíbia e a África do Sul. A Argélia já foi certificada como livre de malária.

Ao nível dos países lusófonos, Moçambique é o que contabiliza mais casos, cerca de nove milhões em 2019, o que lhe garante um quarto lugar na lista dos países da região africana da OMS com mais infeções, atrás da Nigéria, que lidera, a República Democrática do Congo e o Uganda.

Moçambique é ainda responsável por 4% de todas as mortes do mundo devido a esta doença infecciosa, causada por um parasita.

Nesta lista de 44 países, e ainda em relação aos países lusófonos, Angola ocupa a oitava posição, a Guiné Equatorial o 32º lugar, a Guiné-Bissau o 35º, São Tomé e Príncipe o 40º. Em último lugar, e sem casos registados em 2019, encontra-se Cabo Verde.