Nacional

Presidente da "Junta Militar da Renamo" exige adiamento das eleições

2019-08-20 07:22:20 (UTC+01:00)

A autoproclamada "Junta Militar da Renamo", que contesta a liderança de Ossufo Momade, elegeu esta segunda-feira último dia da conferência nacional, o major-general Mariano Nhongo como presidente do partido.

MAPUTO- Na conferência que decorreu entre sábado e segunda-feira e juntou mais de 200 pessoas na serra de Gorongosa, Nhongo apresentou-se vestido a civil, mas sempre rodeado por guerrilheiros de uniforme verde e espingardas AK47. Uma imagem que lembra o histórico líder da Renamo, Afonso Dhlakama.

Mariano Nhongo, prometeu respeitar a trégua militar (oficialmente extinta com a assinatura do acordo de paz e reconciliação de Maputo); exigiu o adiamento das eleições agendadas para 15 de Outubro; declarou nulo o processo desmilitarização, desmobilização e reintegração dos homens armados da Renamo (mais conhecido por DDR); e exigiu novas negociações com o governo.

"O governo deve parar imediatamente de negociar seja o que for com o senhor Ossufo Momade na busca de paz. Estamos abertos ao diálogo. Iremos accionar os mesmos mecanismos usados pelo presidente Afonso Dhlakama para contactarmos o governo", disse Nhongo, ameaçando que se o governo violar a "trégua" a junta irá responder.

Quanto à exigência do adiamento das eleições, a "Junta Militar da Renamo" pretende ganhar tempo e criar condições para preparar as suas candidaturas.

"Aliás, eu mesmo na qualidade de presidente da Renamo preciso de tempo para me preparar", disse Nhongo, revelando assim a intenção de se candidatar a Presidente da República.