Nacional

Prosseguem negociações para exploração de petróleo na bacia de Angoche

2018-02-13 06:28:52 (UTC+00:00)

A negociação do contracto para a prospecção e pesquisa de petróleo da Área A5-A da Bacia de Angoche, em Nampula, decorre normalmente, não obstante a desistência da empresa norueguesa Statoil, garantiu o Instituto Nacional de Petróleos (INP) de Moçambique.

MAPUTO- A Statoil e seus parceiros, ENI de Itália e Sasol da África do Sul, foram declarados vencedores para aquela área de concessão no âmbito do 5.º concurso lançado em 2014 pelo governo, mas, recentemente, a empresa norueguesa comunicou ao INP a intenção de abandonar as negociações sobre o respectivo contracto de prospecção e pesquisa.

O quinto concurso internacional de pesquisa de hidrocarbonetos colocou à disposição das empresas interessadas 11 áreas em mar nas bacias do Rovuma, Angoche, Moçambique (Delta do Zambeze), e quatro em terra na Bacia de Moçambique (áreas de Pande-Temane e Palmeira), cobrindo um total de 74 259 quilómetros quadrados.

Durante o concurso foram recebidas vinte e três propostas, distribuídas em 11 das quinze áreas colocadas à disposição.

Da avaliação efectuada às propostas, foram apurados como vencedores os consórcios liderados pela ENI Mozambico para a região de Angoche, área A5-A, tendo na mesma zona, mas já na área A5-B, o vencedor sido a Exxon Mobil E&P Mozambique Offshore Ltd.

Esta empresa vai também liderar as pesquisas na região do Zambeze, áreas A5-C e A5-D, enquanto a Sasol Petroleum Mozambique Exploration vai liderar as pesquisas na zona de Pande-Temane, áreas PT5-C e a Delonex Energy Ltd deverá trabalhar na região de Palmeira, Área P5-A.