Opinião

A AGENDA É DESACREDITAR NYUSI E A FRELIMO

Os melhores líderes são aqueles que tendem a simplificar tudo o que podem. A simplicidade raramente equivale a falta de sofisticação. Na verdade, demonstra uma elegância notável.

A simplicidade leva ao entendimento, que por sua vez leva à certeza na execução. Uma máxima com a qual pode sempre contar é que o desempenho alivia a pressão.
-Myatt-



Por: Eurico Nelson Mavie

Segundo Myatt (2015), a forma como os líderes reagem à pressão, demonstra a força do seu carácter e as suas convicções, o quê e quem valorizam e se podemos ou não confiar neles. No desempenho da liderança é impossível não estar sujeito a pressões. Como nos diz, “não é uma questão de se, enquanto líder, se irá deparar com esta, mas de quando”. Myatt acredita que nos dias que correm existem muitas pessoas que ascenderam a cargos de liderança sem terem sido colocados sob pressão e, “quando o inevitável acontece e a pressão ataca, muitos líderes sentem-se esmagados”. A pressão pode surgir quando uma situação ou medida vai contra os valores das pessoas, a sua posição, filosofias e mesmo a sua vontade de sobreviver, relembra-nos Myatt, referindo que, quando se aplica “demasiada pressão sobre um líder sem motivação, sem preparação, mal equipado ou incapaz, tal dá origem a pensamentos imprecisos, más decisões e acções erradas.

Embora cada um lide com a pressão à sua maneira, “a forma como os líderes gerem a pressão é frequentemente o factor diferenciador entre levar uma organização ao sucesso ou contribuir para o seu fim”.

Este talvez seja o quadro em que Nyusi encontrou o país, após a sua investidura, um quadro de pressão, derivado dentre vários aspectos, da tensão político militar que ameaça a paz efectiva.

Depois do período de graça, todos ficamos ansiosos para ver o mote de governação do chefe de Estado, mas felizmente Nyusi nos surpreende com a sua liderança, nos surpreende ainda, em cada deslocamento, em cada gesto, e em cada atitude sempre humilde e contagiante. Diferentemente dos motivos que se alegavam no passado, Nyusi tem uma postura igual a si mesmo e, conseguiu num espaço muito curto de tempo arrancar inclusive aplausos e sorrisos menos prováveis. Era necessário desmistificar a ideia da importância suprema dos recursos naturais que outrora, pretendiam dividir os moçambicanos. Todos recursos de que o país dispõe e tantos outros que tem vindo a ser descobertos são, sem dúvidas, importantes para alavancar a economia nacional e reduzir os actuais níveis de dependência orçamental. Mas o povo não bebe petróleo, não respira gás natural, não come carvão mineral muito menos diamantes, o povo precisa de comida, daí uma das apostas de Nyusi na agricultura. Apesar das boas condições agro-ecológicas que o país apresenta, terras férteis, clima favorável e o melhoramento das sementes e fertilizantes, a situação da insegurança alimentar é uma realidade, infelizmente ainda há muitos moçambicanos que não tem certeza da primeira refeição do dia, que percorrem longas distâncias a procura do precioso líquido, dai o esforço de Nyusi no apoio as pequenas associações agrícolas no sentido de desenvolver técnicas melhoradas de produção.

Apesar de todo este trabalho, há gente que só vê coisas ruins, que trabalha a todo vapor para reduzir esta empreitada a zero. O exemplo inequívoco é o esforço levado a cabo por um dos grandes órgãos de comunicação social da praça, que a cada semana multiplica esforços para denegrir a imagem de Nyusi, injuriar, caluniar e difamar o seu bom nome, cumprindo uma agenda clara e bem orquestrada de desacreditar a si seu partido, a Frelimo. Em Nyusi reside a esperança de muitos moçambicanos e o desejo é que essa esperança não seja frustrada.

Mil poderão cair ao teu lado, e dez mil à tua direita; mas tu não serás atingido - Salmos 91.

Eurico Nelson Mavie

Eurico Nelson Mavie

É natural de Maputo e formado em Administração Pública pelo Instituto Superior de Relações Internacionais e Diplomacia. Nesta instituição presidiu a Associação dos Estudantes e foi colaborador do Conselho Nacional da Juventude (CNJ). Após conclusão do curso, foi convidado a trabalhar na New Vision (Centro de Formação Profissional) como Director Pedagógico. Na mesma altura foi encarregue de chefiar a equipa responsável pela codificação do Acervo Documental da Unidade Técnica da Reforma do Sector Público. Actualmente é pesquisador e analista político.