Opinião

As minorias…!

Ando ultimamente lixado com a nossa sociedade, por tentativa de legitimar desvios das normas de vivência, em nome das minorias.

Preocupa-me isso. E se, um dia, esta minoria influenciar a maioria? “Chupamos” todas as consequências. Será mesmo que a ditadura da maioria não pode parar com estes desvios?

Já foi grande o suspense. Agora vamos ao conteúdo. Quantos de nós já deparamos com a má condução dos motoristas de chapa, até os que carregam crianças? Quantos? Porque temos justificação para tudo, argumentamos “os chapeiros são sempre assim”. Assim legitimamos um desvio às normas estabelecidas, não cortamos o mal pela raiz, punindo exemplarmente os infractores.

Quantos de nós já vivenciamos ou ouvimos dizer que para passar no exame prático de condução é preciso pagar “luvas” de 1500,00Mt ou 2000,00Mt ao examinador? Quantos? E justificamos “é assim mesmo, senão pagar não passa”. Confesso que quando tirei a carta não passei por isso.

Quantos de nós já ouviram falar de que, o namorado daquela prima ou amiga é um “batedor”? Quantos? Por isso, é um tipo que paga bem. “A amiga anda muito linda, com extensões de 32,000,00 MT” (como sói dizer-se no Teatro Gungu) “andar com terreno na cabeça”.

(…)

Porquê sermos assim? Andamos a legitimar desvios em nome das minorias. É para sermos considerados “bons nos direitos humanos?” Só nos lembramos que os chapeiros (minoria) que conduzem mal batem nas nossas viaturas e não conseguimos puni-los ou coloca-los a pagar os danos por eles causados.

Só nos queixamos de pessoas que nem retaguarda conseguem fazer de um Vitz, porque nem no banco da escola de condução se sentou. Já que agora é só colocar no D – Driving e endireitar rodas. Chegados ao destino P- Pausa.

Reclamos no dia em que a Polícia dispara na zona para deter um “batedor”, que namora com a vizinha ou com a prima.

Sejamos sérios. Se fôssemos unidos, facilmente poderíamos reduzir o mal que pula de ramo em ramo, nas ruas.

Registe-se, que foi uma opinião sobre as minorias que a todo o custo tentam influenciar a maioria por atitudes e comportamos desviantes.

Mendes Mutenda

Mendes Mutenda

É jornalista moçambicano e natural de Sussundenga, na província de Manica. Foi formado pelas Escolas de Jornalismo (Médio Profissional) e Superior de Jornalismo. Há mais de 15 anos que trabalha na Comunicação Social, tendo passado pela rádio e televisão como apresentador de conteúdos informativos. Para além, de desempenhar funções na plataforma informativa Folha de Maputo é Docente-estagiário da Escola Superior de Jornalismo e analista de assuntos sociopolíticos em Moçambique.