Opinião

Porque é que as crianças levam telemóveis à escola?

O debate da actualidade em Moçambique sobre o sector da educação é a qualidade de ensino.

Para tudo quanto debatemos, a característica básica tem sido procurar culpados. Se for o Governo, tudo bem, alvo fácil. Mas qual é o contributo dado pelos pais e encarregados de educação? Penso que antes de procurarmos o culpado, há que analisar o contributo de cada um de nós no processo de ensino e aprendizagem. Recordo-me de um debate em que se dizia “nós, os professores, ensinamos, enquanto a educação parte de casa”.

Qual é a ocupação real de um aluno da 1ª a 10ª classes: do amanhecer ao anoitecer? Quantas horas o aluno se dedica aos estudos mesmo ou em trabalhos didácticos? Quanto tempo fica ao telemóvel ou preso ao “game”?
São perguntas que eu próprio não tenho resposta. Mas penso que há um fenómeno que poderia chamá-lo de Infantocracia – uma espécie de poder das crianças – que nos dias de hoje comprometem, sobremaneira, a qualidade do homem do amanhã.

Há crianças super-man, que dependendo da parte que mais cede – mãe ou pai –, determinam o que bem lhes apetece. A ditadura da criança de que “pai ou mãe, hoje sem aquele celular iPhone 6, S5, Note 4, 5…10 (não sei se já existe S10), não vou à escola”. Será mesmo útil uma criança levar celular à sala de aula? Enquanto o professor lecciona, o aluno joga game. Resultado: termina a aula e nada entendeu. O aluno regressa para casa, os pais continuam no serviço e ele fica ao Deus dará… jogando game + game até os megas acabarem.

A realidade urbana leva a que muitas crianças cresçam em mundos altamente virtuais, o que faz com que, certas realidades materiais não sejam levadas a sério. O 1+1 da sala de aula perde sentido, que as técnicas de baixar games no telemóvel.

Porquê não ocupar o estudante por outras actividades? É tão mau assim um aluno ter um dia de produção escolar? Saber limpar a sala onde estuda. Tirar ervas daninhas no jardim da escola é tão mau assim? Ocupar o estudante em actividades desportivas escolares é tão mau assim? Porque é que queremos que os nossos filhos cresçam em ambientes virtuais?

O mais engraçado é que os pais que admitem o domínio total das suas crianças em ambientes virtuais, eles cresceram a saber fazer algo. É preocupante que todos os dias passemos a vida a culpar os professores pelas crianças que não sabem ler, enquanto nós, os pais, é que damos às crianças telefones conectados à internet, para todo o santo dia.

Uma criança deve ser ensinada o dia-a-dia, pois ela tem um monte de direitos e obrigações. Tem direito de ter comida, de brincar, mas tem obrigação de estudar, estudar, estudar.

Mendes Mutenda

Mendes Mutenda

É jornalista moçambicano e natural de Sussundenga, na província de Manica. Foi formado pelas Escolas de Jornalismo (Médio Profissional) e Superior de Jornalismo. Há mais de 15 anos que trabalha na Comunicação Social, tendo passado pela rádio e televisão como apresentador de conteúdos informativos. Para além, de desempenhar funções na plataforma informativa Folha de Maputo é Docente-estagiário da Escola Superior de Jornalismo e analista de assuntos sociopolíticos em Moçambique.