Vida e Lazer

Menina indiana chora lágrimas de sangue

2020-06-22 11:49:15 (UTC+01:00)

Uma menina indiana está a dar que falar na comunidade médica depois de a mãe ter levado a criança ao médico porque esta "chorava lágrimas de sangue, várias vezes por dia".

O caso da menina acabou estudado e foi agora divulgado na publicação médica BMJ Journals. "Tenho medo pela saúde da minha filha. Sangue a escorrer-lhe pelos olhos é uma visão de horror. Espero que estes episódios não se voltem a repetir", disse à mãe da menina de 11 anos aos médicos que acompanharam a filha.

A criança foi estudada pelos oftalmologistas do All India Institute of Medical Sciences, em Nova Déli, Índia, durante dois dias, e observou-se que chorava sangue entre duas a três vezes por dia, sendo que os episódios duravam três minutos. A paciente não tinha historial de outras doenças ou reação a qualquer medicação, mas tinha tido uma hemorragia nasal semanas antes de começar a manifestar ‘lágrimas de sangue’.

Depois de uma bateria de testes para descobrir a que se devia a hemolacria (condição de chorar sangue). Para surpresa dos médicos, todos os testes vieram normais: visão, pressão sanguínea nos olhos, análises sanguíneas e tomografia, nada indicava que algo estivesse errado com a paciente e que justificasse os sintomas.

Finalmente foram feitas análises às células da película lacrimal e sacos lacrimais, mas mais uma vez os resultados vieram absolutamente normais. Depois de esgotarem todas as causas possíceis, a hemolacria da menina foi diagnosticada como sendo indiopática, ou seja com causa desconhecida.

Fica assim em aberto o mistério da doença desta criança que, no estudo publicado, é referida como "tendo um dos sintomas mais alarmantes e que pode ter várias causas diferentes, como conjuntivite bacteriana, disfunções hormonais ou tumores", mas que neste caso em particular não foi encontrada explicação. Ao mesmo tempo recordam-se outros casos semelhantes, mas em que foi descoberta a causa, aconselhando os investigadores que, em casos futuros se esgotem primeiro todas as opções de avaliação.






Fonte:Correiodamanha