Internacional

FMI prevê apertos financeiros aos investidores a médio prazo

2021-10-13 13:14:31 (UTC+01:00)

O FMI adverte, no seu último Relatório Global de Estabilidade Financeira, que o impacto persistente da COVID-19-19 está a desvanecer o optimismo entre os investidores, o que poderá levar a um aperto financeiro a médio prazo.

"No meio da prolongada e dolorosa pandemia, os riscos para a estabilidade financeira têm sido contidos até agora. As condições financeiras têm diminuído desde o início da pandemia. Isto reflecte o contínuo apoio monetário e fiscal à economia, o que ajudou a estimular uma recuperação a partir de 2020. No entanto, o sentimento de optimismo que tinha impulsionado os mercados no primeiro semestre do ano se desvaneceu um pouco”, disse Tobias Adrian, o conselheiro financeiro e director dos Mercados Monetários e de Capitais do FMI.

De acordo com o Fundo, um período prolongado de condições financeiras extremamente fáceis durante a pandemia, que certamente foi necessário para sustentar a recuperação económica, permitiu que as avaliações de activos excessivamente esticadas persistissem. Se esse alongamento excessivo continuar, pode, por sua vez, intensificar as vulnerabilidades financeiras.

“As vulnerabilidades financeiras continuam a ser elevadas em vários sectores, embora as vulnerabilidades tenham diminuído em algumas áreas desde Abril. Os decisores políticos são, agora, confrontados com uma troca difícil. Devem continuar a fornecer apoio a curto prazo à economia global, mas devem simultaneamente tentar evitar a acumulação de riscos de estabilidade financeira a médio prazo. Após mais de um ano, a complacência surge como um risco real. As avaliações dos activos permanecem esticadas e a assunção de riscos persiste. Se não forem controladas, tais vulnerabilidades podem tornar-se questões estruturais herdadas”, acrescentou Adrian.

Adrian exortou os decisores políticos a continuarem a prestar apoio a curto prazo à economia global, mesmo quando devem simultaneamente tentar evitar a acumulação de riscos de estabilidade financeira a médio prazo.

“Os decisores políticos devem formular planos de acção que previnam consequências involuntárias. O apoio político monetário e fiscal deveria ser mais direccionado e adaptado às circunstâncias específicas do país, dado o ritmo variável das recuperações entre países. Os bancos centrais deveriam fornecer orientações claras sobre a abordagem futura da política monetária e permanecer vigilantes para evitar um aperto injustificado e abrupto das condições financeiras. Se as pressões sobre os preços se revelarem mais persistentes do que o previsto, devem agir de forma decisiva para evitar um desanuviamento das expectativas de inflação. Os decisores políticos devem tomar medidas atempadas e apertar instrumentos macro-prudenciais seleccionados para visar bolsas de vulnerabilidades elevadas”, disse Adrian.

Ainda em conformidade com o FMI, num contexto de maiores pressões sobre os preços, os investidores estão, agora, a fixar os preços num ciclo de aperto rápido e bastante acentuado para muitos mercados emergentes, embora se espere que o aumento da inflação seja temporário.

Adrian concluiu as suas observações aconselhando que, com a intensificação das vulnerabilidades e com o apoio político ao crescimento económico já afirmado a um grau sem precedentes, é chegado o momento para uma acção política com visão de longo prazo. A acção política deve ser cuidadosamente elaborada, visando evitar consequências não intencionais, que poderiam pôr em risco o crescimento, e que poderiam conduzir a um ajustamento abrupto no mercado financeiro”, concluiu Adrian