Internacional

Moscovo diz que agora "não há quaisquer negociações" com Kyiv

2022-05-17 13:18:55 (UTC+01:00)

O vice-ministro russo, Andrey Rudenko, assegurou hoje que não há qualquer negociação a decorrer atualmente entre a Rússia e a Ucrânia, afirmando que Kyiv "abandonou de vez" o diálogo.

"As negociações pararam. A Ucrânia abandonou de vez o processo de diálogo", disse Rudenko à agência Interfax, sublinhando que as conversações entre os dois países, iniciadas em finais de fevereiro, foram interrompidas.

Uma nota do Noticias ao Minuto refere que, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Serguei Lavrov, criticou hoje Washington e Londres por "terem guiado" a Ucrânia durante as rondas de negociações anteriores com o país russo.

As negociações entre ambas as partes encontram-se suspensas há mês e meio, depois de se terem intensificado os combates em Mariupol e o mundo assistir às imagens do massacre de Bucha.

A última ronda de diálogo presencial entre os delegados de cada país aconteceu em Istambul, no dia 29 de março.

No seguimento da reunião, ambos os países conseguiram chegar a pequenos acordos, que acabaram sem efeito depois de as semanas seguintes mostrarem que as diferenças continuaram irreconciliáveis.

No dia 9 de maio, o chefe negociador russo, Vladimir Medinsky, garantiu que as negociações à distância continuaram e "não pararam".

A guerra na Ucrânia, que hoje entrou no 82.º dia, causou já a fuga de mais de 14 milhões de pessoas das suas casas -- cerca de oito milhões de deslocados internos e mais de 6,1 milhões para os países vizinhos -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Também as Nações Unidas disseram que cerca de 15 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.

A invasão russa -- justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de "desnazificar" e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia - foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e a imposição à Rússia de sanções que atingem praticamente todos os setores, da banca ao desporto.

A ONU indicou na segunda-feira que 3.668 civis morreram e 3.896 ficaram feridos, sublinhando que os números reais poderão ser muito superiores e só serão conhecidos quando houver acesso a cidades cercadas ou a zonas até agora sob intensos combates.