Internacional

Sobe para 14 o número de casos de varíola dos macacos em Portugal

2022-05-19 07:52:04 (UTC+01:00)

A Direção-Geral da Saúde (DGS) revelou que foram confirmados mais nove casos de infeção humana pelo vírus Monkeypox em Portugal, subindo para 14 o total de casos confirmados.

De acordo com a Sicnoticias, os novos casos foram confirmados pelo Instituto Doutor Ricardo Jorge (INSA) ao final da tarde desta quarta-feira, “existindo ainda duas amostras em análise”, segundo o comunicado da DGS.

No que toca aos restantes casos suspeitos, as amostras ainda serão remetidas para análise pelo INSA.

A DGS refere ainda que os casos identificados “mantêm-se em acompanhamento clínico, encontrando-se estáveis”.

Neste momento, afirma no comunicado, “decorrem ainda os inquéritos epidemiológicos, com o objetivo de identificar cadeias de transmissão e potenciais novos casos e respetivos contactos”.

O vírus da varíola dos macacos é semelhante ao da varíola, erradicada em 1980.

Os casos em Portugal foram reportados na região de Lisboa e Vale do Tejo e os suspeitos, até agora, concentram-se na mesma zona.

A autoridade de saúde apela às pessoas que apresentem lesões ulcerativas, erupção cutânea, gânglios palpáveis, eventualmente acompanhados de febre, arrepios, dores de cabeça, dores musculares e cansaço, para procurar aconselhamento clínico.

Recomenda ainda que, “perante sintomas suspeitos, o indivíduo deverá abster-se de contactos físicos diretos”, explicando que “a abordagem clínica não requer tratamento específico, sendo a doença habitualmente autolimitada em semanas”.

COMO SE TRANSMITE?
A varíola dos macacos é transmitida através do contacto com animais ou por contacto próximo com pessoas infetadas ou materiais contaminados. Trata-se de uma doença rara e que não se dissemina facilmente entre humanos.

A maior forma de contágio é o contacto com as lesões cutâneas, explica a médica infecciologista Margarida Tavares, e por isso, estas, devem estar protegidas.

Margarida Tavares afirma que a via de transmissão sexual “não está descrita classicamente”, mas como a doença se “transmite por contacto próximo, íntimo e prolongado”, a transmissão por via sexual é “plausível”.

Também é possível transmissão por contacto com objetos “muito contaminados com o vírus”, por exemplo roupas de cama, banho ou mesmo as próprias roupas.

A varíola dos macacos partilha ainda algumas formas de contágio com as infeções respiratórias, estando também descrita a possibilidade de transmissão aérea, sobretudo por gotículas grandes.

Esta é a primeira vez que é detetada em Portugal infeção pelo vírus Monkeypox.

Em 2003 foram reportados nos Estados Unidos da América algumas dezenas de casos. Também o Reino Unido reportou, recentemente, casos semelhantes de lesões ulcerativas, com a confirmação de infeção por vírus Monkeypox.

A DGS e o INSA mantêm-se a acompanhar a situação a nível nacional e em articulação com as instituições europeias.