Nacional

Autoridades Moçambicanas alertam risco de inundações

2022-09-29 14:25:15 (UTC+01:00)

A Direção Nacional de Gestão de Recursos Hídricos alertou, hoje, o risco de inundações em áreas próximas aos rios Umbeluzi, Maputo e Incomáti a partir de Outubro, mês em que começa a época chuvosa no país.

"A situação é um pouco preocupante e teremos de tomar algumas medidas em função daquilo que vai ser a evolução das coisas nos primeiros 15 dias de Outubro, início da época chuvosa", disse o chefe do Departamento de Bacias Hidrográficas, Agostinho Vilanculos, citado hoje pela Rádio Moçambique.

Em causa está o aumento dos níveis da água nas principais infraestruturas de retenção em Maputo, com destaque para as barragens dos Pequenos Limbombos e de Kurumane, que estão atualmente com os níveis de armazenamento em 80 por cento.

Segundo o chefe do Departamento de Bacias Hidrográficas, com o arranque da época chuvosa, os níveis de água vão aumentar, o que vai exigir a abertura das comportas para aliviar a pressão.

A Direção Nacional de Gestão de Recursos Hídricos apela às populações que vivem em áreas próximas destes rios para a tomada de decisões de prevenção do impacto de possíveis inundações.

Também a Hidroelétrica de Cahora Bassa (HCB), no centro de Moçambique, vai começar a realizar descargas, a partir de 01 de Outubro, para aliviar a pressão face ao início da época chuvosa no país.

"Já temos previsões do que poderá ser a época chuvosa e isso dá-nos um maior nível de confiança de que teremos água por receber. Ela precisa encontrar espaço na albufeira para ser acomodada para não gerar cheias a jusante", disse o diretor dos Recursos Hídricos e Ambiente da HCB, citado pelo diário Notícias.

Entre os meses de Novembro e Abril, Moçambique é atingido por ventos ciclónicos oriundos do Índico e por cheias com origem nas bacias hidrográficas da África Austral.

Os desastres naturais que afectaram Moçambique na última época chuvosa resultaram em cerca de 142 óbitos, tendo afetcado cerca de um milhão de pessoas, segundo dados avançados em Agosto pelo Instituto Nacional de Gestão e Redução do Risco de Desastres.