Nacional

Economia poderá crescer em média quatro por cento

2021-04-12 12:54:28 (UTC+01:00)

A economia moçambicana vai crescer moderadamente, nos próximos três anos, até atingir quatro por cento a médio prazo, sustentado pelo aumento da produção do sector da agricultura.

MAPUTO- O cenário resulta dos investimentos a serem realizados na provisão de sementes melhoradas e assistência técnica aos produtores e actores do sector agrário, com destaque para cereais, raízes e tubérculos.

A projecção consta do cenário fiscal de médio prazo, aprovado há dias pelo Governo, e que prevê quea economia nacional se reanime, à medida que o país conseguir mitigar a Covid-19 e arrecadar mais receitas.

Falando em Maputo, o porta-voz do Ministério da Economia e Finanças, Alfredo Mutombene, explicou que as previsões não incorporam as receitas provenientes dos projectos da exploração de gás natural.

Referiu que o documento foi elaborado num ambiente marcado pelo aumento do espectro de incerteza devido à confluência de choques, quer internos, quer externos, com destaque para efeitos da Covid-19, restrições no financiamento externo, queda dos preços das matérias-primas no mercado internacional e depreciação cambial face às principais moedas de transacção.

Segundo Alfredo Mutombene, medidas combinadas de política monetária e fiscal estão a ser implementadas, com vista a garantir a estabilidade macroeconómica.

As opções de políticas no âmbito do instrumento continuarão orientadas para a manutenção da estabilidade macroeconómica, a continuidade do processo de consolidação fiscal visando assegurar a sustentabilidade fiscal e o crescimento económico diversificado, a médio e longo prazos.

De acordo com a fonte, espera-se uma recuperação da economia nacional, com a retoma das actividades após o relaxamento das medidas de isolamento, com destaque para os sectores da agricultura e electricidade, cujas taxas de crescimento para 2021 são dequatroe três por cento, respectivamente.

O porta-voz explica que o cenário fiscal de médio prazo 2022-2024 baseia-se em duas hipóteses: uma queassenta na recuperação da economia em 2,1 por cento, assumindo efectividade das medidas de políticas económicas adoptadas e o aumento da procura global das matérias-primas e da procura interna de serviços.

O outro pressupõe uma recuperação moderada da actividade económica, a uma taxa de 1,5% em 2021, influenciada pelo relaxamento das medidas de isolamento social com o início do processo de imunização contra a pandemia da Covid-19, através da vacinação.

As perspectivas da oferta indicam que a agricultura continuará a ter um grande peso no PIB, embora permaneça o desafio de melhorar a resiliência às condições climatéricas. Os sectores como agricultura, electricidade, gás e água, construção, indústria transformadora e extractiva, entre outros, irão contribuir para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) durante o triénio 2022-2024.

O Ministério da Economia e Finanças considera que osector da agricultura mostrou-se resiliente e não foi afectado directamente pela pandemia, tendo apresentado um crescimento positivo de 2,8 por cento em 2020.

Este crescimento foi impulsionado pela produção de cereais como o milho, mapira e arroz, tubérculos (mandioca e batata-doce) e pelo aumento da produção de feijões.