Nacional

GÁS NA BACIA DO ROVUMA: Aprovada entrada da ExxonMobil

2017-11-08 05:04:11 (UTC+00:00)

A Empresa Nacional de Hidrocarbonetos e as multinacionais ENI, Kogas e Galp, concessionárias do projecto de gás natural da Área 4, na Bacia do Rovuma, aprovaram, ontem, a entrada no empreendimento, da petrolífera norte-americana Exxon Mobil.

MAPUTO- Em Março último, a ExxonMobil comprou, por 2,8 mil milhões de dólares norte-americanos, uma participação da Eni East Africa no consórcio responsável pela implementação do projecto de pesquisa e produção de hidrocarbonetos na Área 4.

Entretanto, em Setembro último, o Governo moçambicano autorizou a referida transacção alterando os interesses participativos na Área 4 e passando a Eni e ExxonMobil a deter 25 por cento cada; a chinesa CNPC com 20 por cento; enquanto a Galp, a ENH e a Kogas detêm 10 por cento cada.

A permissão da entrada da ExxonMobil no projecto pelas outras concessionárias era tida como passo crucial para que o Estado moçambicano arrecadasse cerca de 354,4 milhões de dólares norte-americanos em tributação de mais-valias pela transacção.

Intervindo ontem, na cerimónia de oficialização da entrada da ExxonMobil, a ministra dos Recursos Minerais e Energia, Letícia Klemens, afirmou ter sido dado “um passo importante para a materialização do projecto de liquefacção de gás no distrito de Palma, província de Cabo Delgado, e para o desenvolvimento da indústria de gás no geral.

"Com a assinatura deste acordo complementar, a ExxonMobil poderá contribuir na implementação dos projectos da Área 4, pois passará a exercer, por delegação da Eni East Africa, a gestão, condução e execução das operações em terra, incluindo a liquefacção e outras actividades relacionadas", disse.

Segundo a governante, a conclusão da transacção para a entrada da ExxonMobil como accionista do projecto reforça a confiança, não só no sucesso da indústria como também de tornar Moçambique num dos maiores exportadores de Gás Natural Liquefeito (LNG) do mundo.

"Esta cerimónia acontece num momento particular, depois de ter sido lançada ontem (segunda-feira), a moratória para o início do reassentamento da população que será abrangida pelos projectos de liquefacção das áreas 1 e 4", afirmou.






Fonte: Jornal Notícias